Por que as pesquisas com muçulmanos americanos diferem

por Scott Keeter, diretor de pesquisa do Pew Research Center e Greg Smith, pesquisador do Pew Forum on Religion & Public Life


Os muçulmanos americanos são uma população de grande interesse para acadêmicos, jornalistas e formuladores de políticas nos Estados Unidos. No entanto, como os muçulmanos representam uma porcentagem muito pequena do público total dos Estados Unidos, é extremamente difícil entrevistar uma amostra grande o suficiente para fornecer uma imagem confiável de seus pontos de vista, experiências e características demográficas. Esta semana, o Muslim West Facts Project, uma parceria entre a Gallup e a Coexist Foundation, divulgou uma pesquisa com muçulmanos americanos. Como a pesquisa de 2007 do Pew Research Center sobre muçulmanos nos EUA, 'Muslim Americans: Middle Class and Mostly Mainstream', o estudo Gallup é baseado em uma amostra de probabilidade representativa nacionalmente. Mas existem diferenças importantes na abordagem metodológica e nos resultados dos dois estudos.

A principal diferença entre os estudos é o quanto da população muçulmana americana é coberta pelo estudo. O estudo da Pew Research inclui muçulmanos americanos que falam inglês, árabe, urdu e farsi, enquanto o estudo Gallup cobre apenas aqueles que falam inglês e espanhol. Essa diferença de abordagem é crítica porque cerca de dois terços dos muçulmanos americanos nascem no exterior, e uma minoria significativa deles pode não falar inglês o suficiente para fazer uma entrevista nesse idioma. Com base nas línguas usadas nas entrevistas, o estudo da Pew Research estima que pelo menos 17% dos muçulmanos americanos se enquadram nesta categoria.

Em parte por causa dessa diferença, os dois estudos chegaram a conclusões significativamente diferentes sobre a composição racial, o nível de escolaridade e a situação de emprego da população. O Gallup estima que mais de um em cada três muçulmanos americanos (35%) são negros, em comparação com a estimativa da Pew de 24%. O Gallup estima que 40% dos muçulmanos americanos obtiveram um diploma universitário; A Pew estima que 24% o fizeram. E o Gallup estima que mais muçulmanos estão empregados atualmente do que a Pew Research (70% contra 57%).

Sobre raça, educação e emprego, os muçulmanos entrevistados em inglês pela Pew Research são mais ou menos semelhantes aos muçulmanos entrevistados pela Gallup. Os muçulmanos entrevistados pela Pew Research em árabe, urdu ou farsi, por outro lado, exibem características muito diferentes dos entrevistados em inglês. Por exemplo, apenas 8% dos muçulmanos entrevistados nessas línguas descrevem sua raça como negra, em comparação com 27% dos muçulmanos entrevistados pela Pew Research em inglês e 35% dos muçulmanos entrevistados pela Gallup. Apenas 14% dos muçulmanos entrevistados nessas línguas relatam ter se formado na faculdade, cerca de metade do número de graduados entre os entrevistados pela Pew Research em inglês e cerca de um terço do número de muçulmanos entrevistados pela Gallup. E apenas 25% dos entrevistados em árabe, urdu ou farsi estão empregados atualmente, o que é menos da metade da taxa de emprego observada entre os muçulmanos entrevistados em inglês pela Pew Research ou Gallup.


Além disso, os dois estudos procuraram aprender diferentes tipos de coisas sobre os muçulmanos americanos e adotaram abordagens muito diferentes para encontrá-los e entrevistá-los. O questionário e a abordagem de amostragem da Pew 'Research foram adaptados especificamente para esta população. Além de questões sobre características demográficas, status econômico e comportamento político, a entrevista da Pew Research também incluiu um grande número de perguntas sobre a experiência dos muçulmanos nos Estados Unidos no período pós-11 de setembro, imigração, atitudes religiosas e costumes específicos de Islã, conversão religiosa, preocupação com o extremismo islâmico e atitudes em relação à política externa.



Em contraste, o estudo Gallup é baseado em respostas dadas por entrevistados muçulmanos identificados no curso de pesquisas políticas, econômicas e de acompanhamento de saúde do público em geral conduzidas em 2008. De mais de 319.000 entrevistas, 946 entrevistados muçulmanos foram identificados. O estudo da Gallup cobriu dados demográficos básicos, saúde, emprego, situação econômica, envolvimento político e cívico e satisfação da comunidade, entre outros tópicos.


O estudo da Pew Research usou duas fontes de amostra para atingir um amplo corte transversal de muçulmanos americanos. Um envolveu o re-contato com entrevistados muçulmanos identificados em entrevistas anteriores do Pew Research Center; esta parte da amostra é a mais semelhante à do Gallup, em que todos os domicílios com telefone tinham uma chance quase igual de serem incluídos na amostra. A segunda fonte foi uma nova amostra de dial de dígitos aleatórios (RDD) dividida em cinco estratos. Quatro desses estratos foram baseados na densidade estimada da população muçulmana em cada condado dos Estados Unidos, com um número desproporcional de entrevistas conduzidas em condados com maior concentração de muçulmanos. O quinto estrato consistia em uma lista comercial de aproximadamente 450.000 famílias que se acreditava incluir muçulmanos, com base em uma análise de nomes e sobrenomes comuns entre os muçulmanos. Os números de telefone associados a esses domicílios foram comparados com a amostra RDD e os casos duplicados removidos, o que permite que a amostra baseada em lista seja tratada como um estrato aleatório.

A Pew Research ofereceu aos entrevistados um incentivo monetário modesto para completar a entrevista, enquanto os entrevistados da Gallup não receberam nenhum incentivo. O incentivo foi oferecido em grande parte porque a pesquisa da Pew Research era muito longa. A duração média foi de mais de 30 minutos, significativamente mais longa do que a maioria das pesquisas políticas nacionais. O uso de incentivos em pesquisas longas ou complexas é bastante comum; entre os muitos estudos conhecidos que os empregam estão o National Immunization Survey, o National Health and Nutrition Examination Survey, a University of Michigan's Survey of Consumer Attitudes, a California Health Interview Survey e a National Survey of Family Growth.


Um ponto forte do estudo Gallup é que incluiu entrevistas apenas com entrevistados por telefone celular. O estudo da Pew Research, por outro lado, foi conduzido usando apenas telefones fixos. Isso é importante, pois é provável que muitos imigrantes recentes dependam apenas de um telefone celular. É claro que alguns imigrantes contatados por telefone celular podem não ter conseguido completar a entrevista em inglês ou espanhol. E é importante observar que alguns imigrantes muçulmanos americanos falam línguas usadas em nenhuma das pesquisas.

Apesar das diferenças de abordagem e de alguns resultados divergentes, ambos os estudos compartilham a mesma força, a saber, que cada um deles se baseia em amostras probabilísticas nacionalmente representativas de muçulmanos americanos. Isso significa que cada estudo pode fornecer estimativas com um grau conhecido de erro de amostragem, que é a chave para qualquer pesquisa de amostra que pretenda ser representativa de uma população maior. Como as pesquisas do governo federal não perguntam sobre afiliação religiosa ou histórico, há poucas informações sobre essa população no Censo ou em outros grandes estudos governamentais. Portanto, os estudos da Gallup e da Pew Research, como aqueles que certamente virão, ajudam a aumentar nossa compreensão da comunidade muçulmana nos Estados Unidos.

Para obter mais informações, consulte o relatório do Pew Reseach Center sobre muçulmanos americanos.