• Principal
  • Notícia
  • Sob Obama, as visões dos egípcios sobre os EUA são piores do que sob a presidência de George W. Bush

Sob Obama, as visões dos egípcios sobre os EUA são piores do que sob a presidência de George W. Bush

O dia de hoje marca quatro anos desde que o recém-eleito presidente Barack Obama falou para uma plateia lotada e entusiasmada de estudantes na Universidade do Cairo, pedindo 'um novo começo entre os Estados Unidos e os muçulmanos ao redor do mundo'. O discurso de 4 de junho de 2009 foi o esforço mais importante do novo governo para reviver a imagem dos Estados Unidos no Egito e em outras nações predominantemente muçulmanas, após a ascensão do antiamericanismo durante a era George W. Bush. Quatro anos depois, muita coisa mudou no Egito, mas o antiamericanismo persiste.


Aproximadamente oito em cada dez egípcios (81%) expressaram uma opinião desfavorável dos EUA em uma pesquisa conduzida em março pelo Pew Research Center. Hoje, os EUA recebem avaliações ainda mais negativas no Egito do que durante grande parte da presidência de Bush.

Nos últimos anos, as pesquisas encontraram uma lista familiar de preocupações egípcias com os Estados Unidos. Os esforços antiterrorismo americanos são impopulares entre os egípcios. A maioria acha que os EUA ignoram os interesses de outros países. E poucos acreditam que Obama tenha sido justo ao lidar com israelenses e palestinos. Até mesmo a ajuda americana é vista com suspeita - a maioria diz que a assistência militar e econômica dos EUA está tendo um impacto negativo no Egito.

obama egitoNo início de sua presidência, Obama recebeu avaliações significativamente mais positivas do que seu antecessor. Em 2009, os egípcios estavam quase igualmente divididos entre aqueles que expressaram confiança de que Obama 'faria a coisa certa' nos assuntos mundiais (42%) e aqueles que não tinham confiança no novo presidente americano (47%).

Mas as avaliações de Obama têm diminuído constantemente e, hoje, apenas 26% dos egípcios expressam confiança nele, enquanto 72% têm pouca ou nenhuma confiança.


No que pode parecer um paradoxo para alguns, as avaliações negativas para Obama e para os EUA em geral continuaram e até pioraram durante um período em que os egípcios abraçaram ativamente uma série de liberdades e instituições centrais para a democracia de estilo americano. Os egípcios podem estar insatisfeitos com a forma como sua nova democracia está funcionando, mas a maioria continua querendo liberdade de expressão, imprensa livre e eleições multipartidárias competitivas.



No entanto, a queda de um ditador e o advento da democracia no Egito não melhoraram a imagem da América lá. E olhando para o futuro, poucos vêem a melhoria das relações com os EUA como uma prioridade. Cerca de sete em cada dez (69%) dizem que não é importante para o Egito ter um bom relacionamento com os EUA


“Nenhum discurso”, observou Obama em seu discurso no Cairo, “pode erradicar anos de desconfiança”. Os quatro anos seguintes mostrariam quão profunda é essa desconfiança e quão íngreme é a escalada que os EUA enfrentam para reverter sua imagem no Egito e em muitas outras partes do mundo muçulmano.