• Principal
  • Notícia
  • A aprovação da ONU antes de usar força militar carece de um acordo global generalizado

A aprovação da ONU antes de usar força militar carece de um acordo global generalizado

O Conselho de Segurança da ONU falhou na quarta-feira em chegar a um acordo sobre uma resolução patrocinada pelos britânicos autorizando “medidas necessárias ... para proteger os civis” na Síria. Foi um esforço para obter a aprovação multilateral para o uso iminente de força militar pelos Estados Unidos e aliados afins contra o regime sírio do presidente Bashar al-Assad por seu suposto uso de armas químicas contra civis sírios.


A Carta da ONU previne o uso de força militar, exceto em autodefesa ou com a aprovação do Conselho de Segurança. Mas um ataque militar contra a Síria sem autorização da ONU não seria sem precedentes. Em 1999, os EUA e seus aliados da OTAN bombardearam a Sérvia por 78 dias em um esforço finalmente bem-sucedido para forçar o governo de Slobodan Milosevic a se retirar de Kosovo. E em 1998, Washington lançou ataques com mísseis contra alvos da Al Qaeda no Sudão e no Afeganistão. Nenhuma das ações teve a aprovação do Conselho de Segurança.

Nem o público em todo o mundo apóia universalmente o princípio de obter a sanção da ONU antes de iniciar uma ação militar. Uma pesquisa de 2011 do Pew Research Center com 23 países descobriu que em apenas 9 dessas nações a maioria ou pluralidade do público disse que a aprovação da ONU era necessária para lidar com ameaças internacionais. Em seis países, maiorias ou pluralidades achavam que não era necessário buscar aprovação. Os públicos foram divididos em oito países. Além disso, em quase metade dos países, um em cada cinco dos entrevistados não expressou nenhuma opinião sobre a aprovação da ONU para o uso da força.

Notavelmente, dada a tentativa de Londres de obter a aprovação do Conselho de Segurança para alguma ação militar na Síria, apenas na Europa Ocidental - na Alemanha (76%), Espanha (74%), Grã-Bretanha (67%) e França (66%) - fez público forte maiorias apoiam a autorização da ONU. Os americanos estavam divididos: 45% achavam que a aprovação era necessária, 44% não concordavam.

Aproximadamente metade ou mais das pessoas em países vizinhos à Síria não apoiavam a busca da bênção da ONU para a ação militar, incluindo 59% nos Territórios Palestinos, 54% na Jordânia, 51% no Egito e 49% no Líbano.


No Líbano, apenas 10% dos xiitas libaneses, que geralmente apóiam o regime de Assad, acham que a sanção da ONU é necessária. E 59% dos sunitas libaneses, muitos dos quais apóiam os rebeldes sírios que podem se beneficiar de um ataque militar ocidental, acreditam que a aprovação da ONU é necessária.



No geral, uma pesquisa da Pew Research de 2013, realizada antes das recentes alegações de que o regime sírio havia usado armas químicas, descobriu que, apesar da preocupação generalizada de que a violência na Síria se espalharia para outros países da região, havia apoio limitado para intervenção militar. por nações ocidentais ou por outros estados árabes.


Tanto o governo chinês quanto o russo se opuseram à aprovação da ação militar da ONU contra a Síria. Mas, pelo menos em princípio, seus públicos não acham que tal autorização seja necessária. Em 2011, apenas 24% dos russos pensaram que era necessário obter autorização do Conselho de Segurança antes de usar a força militar para lidar com ameaças internacionais. E apenas 38% dos chineses viram a necessidade de ir primeiro à ONU para obter sua bênção.