O poder do voto de protesto

por Andrew Kohut, presidente, Pew Research Center


Especial para oNew York Times

Não se surpreenda se os candidatos presidenciais de terceiro ou quarto partido obtiverem votos suficientes em novembro para fazer a diferença em alguns dos Estados indecisos, altamente contestados. As pesquisas mostram descontentamento republicano mais do que suficiente com a candidatura de John McCain para argumentar que Bob Barr, o candidato libertário, ou outro candidato de centro-direita, poderia tirar votos do porta-estandarte republicano. E do lado democrata, Barack Obama precisa se preocupar com as deserções não apenas dos partidários de Hillary Clinton, mas também dos liberais, que estão começando a reclamar que ele está indo muito em direção ao centro.

Figura

A eleição presidencial de 2000 mostrou claramente que os candidatos de terceiros partidos não precisam acumular grandes números para fazer uma grande diferença. Ralph Nader acumulou apenas 2% dos votos na Flórida - e as pesquisas revelaram que Al Gore foi a segunda escolha entre a maioria dos eleitores de Nader. Embora os eleitores democratas nunca tenham ficado muito entusiasmados com Gore durante aquela campanha, o clima de opinião sobre John McCain é mais frágil neste ano.

A pesquisa eleitoral da Pew Research em todo o país no final de junho revelou que um número significativamente menor de apoiadores de McCain do que de Obama dizem estar fortemente comprometidos com seu candidato. McCain gera menos comprometimento do que George W. Bush desfrutou neste estágio de suas campanhas presidenciais. Na verdade, a disparidade no forte apoio aos dois candidatos neste ano é a maior medida nas últimas duas décadas. Entre os apoiadores de cada candidato, quase o dobro se descreve como fortes apoiadores de Obama em comparação com os apoiadores de McCain (58% contra 34%).


A posição de McCain contrasta fortemente com o apoio a Bush há quatro anos, quando a vasta maioria dos eleitores de Bush (71%) disse que o apoiava fortemente. Em junho de 2000, apoiadores comprometidos com Bush constituíam apenas 44% de seu apoio, mas isso era significativamente mais do que McCain agora registra. Você tem que voltar a Bob Dole em 1996 para compensar a atual falta de entusiasmo por John McCain.



Leia o comentário completo em nytimes.com.