• Principal
  • Notícia
  • As chances de você dar à luz um menino ou menina dependem de onde você mora no mundo

As chances de você dar à luz um menino ou menina dependem de onde você mora no mundo

Pesquisas ao longo de centenas de anos constataram consistentemente que os meninos naturalmente superam as meninas no nascimento. A especulação é que esta é a maneira da natureza de conter as taxas de mortalidade relativamente altas de homens e de criar mais equilíbrio de gênero na população. Embora, historicamente, tenha havido cerca de 105 meninos nascidos para cada 100 meninas em todo o mundo - o que cria uma 'proporção entre os sexos no nascimento' de 1,05 - a proporção de meninos aumentou nas últimas décadas. Dados de 2011 do Banco Mundial mostram que a proporção global de sexos ao nascer é agora de 1,07, ou 107 meninos nascidos para cada 100 meninas.


FT_sex-ratios-at-birthEsse aumento na proporção de sexos é impulsionado em grande parte pelos nascimentos na China, onde as proporções de sexos diminuíram ligeiramente nos últimos anos, mas permanecem as mais altas do mundo. O país mais populoso do mundo tem 118 meninos para cada 100 meninas e é responsável por 12% dos nascimentos em todo o mundo. No entanto, porções desproporcionalmente grandes de meninos também são encontradas em outros países espalhados pela Ásia e no Cáucaso. Azerbaijão, Armênia, Geórgia, Coreia do Sul e Ilhas Salomão completam a lista de lugares com as maiores proporções sexuais. A Índia está empatada com a Macedônia, Montenegro, Papua Nova Guiné, Samoa, Sérvia e Suriname pelo 7º lugar, com uma proporção de 108 meninos nascidos para cada 100 meninas.

Embora alguns países pareçam ter uma proporção desproporcional de meninos, outros têm uma proporção particularmente alta de meninas. Embora ainda haja um pouco mais meninos nascidos do que meninas nesses lugares - que estão centrados na África Subsaariana - as proporções de sexo são, no entanto, muito mais baixas do que a média. Os seis países com as taxas de sexo mais baixas incluem: Ruanda, Serra Leoa, Togo, Zimbábue, Costa do Marfim e Madagascar.

Então, o que explica essas diferenças nas participações de meninos e meninas?

Talvez a razão mais conhecida esteja relacionada à prática do aborto seletivo por sexo, que foi identificada na Ásia, e também no Cáucaso. A capacidade de determinar o sexo fetal, junto com fortes preferências por filhos, é responsável em grande parte pela alta proporção de meninos em muitos países dessas regiões. O desejo de limitar o tamanho da família, seja devido a regulamentações governamentais como na China, ou devido a mudanças sociais e econômicas globais que reduziram a necessidade de famílias numerosas, parece contribuir ainda mais para o aborto seletivo por sexo e a escassez de meninas.


Mas este é apenas um dos inúmeros fatores que podem estar afetando a proporção de sexos no nascimento. Algumas pesquisas sugerem que a proporção de meninos recém-nascidos diminui com pais mais velhos, e que a alta proporção de meninas na África Subsaariana pode estar ligada à prática da poligamia (esposas múltiplas). O que esses dois fenômenos têm em comum? Os pesquisadores levantam a hipótese de que ambas as situações estão associadas a relações sexuais menos frequentes. (Para possíveis explicações sobre essa associação, consulte este artigo da revista acadêmica Human Reproduction.)



No extremo oposto do espectro, a maioria das pesquisas mostra que a proporção de meninos aumenta durante e após a guerra. E mais uma vez, a frequência das relações sexuais é citada como o motivo provável, pelo menos no caso de reuniões pós-guerra.


Em alguns casos, porém, o tempo de guerra está associado a uma maior proporção de meninas. Isso pode estar relacionado ao fato de que o estresse materno elevado, como ocorreria durante a guerra, pode levar a um aumento da probabilidade de aborto espontâneo, que é mais provável de ocorrer em fetos do sexo masculino.

Outras evidências dessa associação entre o estresse materno e o aumento da proporção de bebês do sexo feminino emergem de uma análise de nascimentos nas proximidades do terremoto de Kobe, no Japão, que mostrou que a proporção de mulheres nascidas nove meses após esse evento foi significativamente maior do que seria esperado em circunstâncias normais.