• Principal
  • Notícia
  • O preto-branco e o urbano-rural se dividem nas percepções de justiça racial

O preto-branco e o urbano-rural se dividem nas percepções de justiça racial

FT-racial-fairness-01

Uma pesquisa recente do Pew Research Center perguntou aos americanos de todas as raças como os negros são tratados em relação aos brancos pela polícia, pelo sistema judiciário e por outras instituições em sua comunidade. Os resultados mostram uma grande e consistente lacuna entre preto e branco nas percepções, com os negros muito mais propensos do que os brancos a dizer que os afro-americanos são tratados de forma menos justa do que os brancos.


Os entrevistados foram questionados sobre sete instituições ou domínios específicos da vida comunitária: a polícia, o sistema judiciário, o local de trabalho, lojas e restaurantes, escolas públicas, o sistema de saúde e eleições. Se as respostas a todos os sete itens forem somadas, metade dos brancos (49%) não vê tratamento injusto em nenhuma das sete áreas, em comparação com 13% dos negros que dizem isso. Por outro lado, 58% dos negros dizem que pelo menos quatro dessas instituições comunitárias são injustas, em comparação com apenas 14% dos brancos.

Talvez mais notavelmente, no 50º aniversário da Marcha em Washington, encontramos poucas diferenças nas percepções com base na geografia. Entre todos os entrevistados, independentemente da raça, se ele ou ela vive no Sul ou Nordeste, Centro-Oeste ou Oeste, não fez diferença na percepção de alguém sobre o tratamento justo dos negros. Somente entre os brancos, há apenas uma diferença significativa: os do Sul têm mais probabilidade do que os do Nordeste de dizer que nenhuma de suas instituições comunitárias trata os negros com menos justiça do que os brancos (53% contra 43%).

Mas havia grandes variações nas percepções com base no fato de se viver em uma cidade, nos subúrbios ou em uma área rural.

Adultos que vivem em áreas urbanas, independentemente de sua raça, têm muito mais probabilidade do que aqueles que vivem em áreas rurais de ver desigualdade racial em cada uma das sete instituições, com lacunas que variam de oito pontos percentuais (em lojas ou restaurantes) a 20 pontos percentuais (ao lidar com a polícia). Os moradores dos subúrbios se situam no meio desses dois grupos.


FT-racial-fairness-02A lacuna nas percepções entre residentes urbanos e rurais é maior quando se trata do tratamento de negros no sistema de justiça criminal. Metade de todos os moradores da cidade diz que os negros são tratados com menos justiça do que os brancos no trato com a polícia, em comparação com apenas 30% dos residentes rurais. E uma lacuna semelhante surge em relação aos tribunais - cerca de quatro em cada dez habitantes urbanos (41%) vêem preconceito racial, em comparação com cerca de um quarto dos que vivem em áreas rurais (24%).



Os residentes urbanos também são mais propensos do que os residentes dos subúrbios a dizer que os negros são tratados de forma menos justa do que os brancos em cada instituição, exceto nas escolas públicas locais, que os dois grupos classificam de forma quase igual. No entanto, as diferenças entre os residentes urbanos e suburbanos são nitidamente menores do que as diferenças entre os residentes urbanos e rurais, variando de cerca de cinco a sete pontos percentuais.


Quando todos os sete itens são combinados em uma medida, cerca de metade das pessoas que vivem em comunidades rurais (52%) dizem que nenhuma dessas instituições trata os negros com menos justiça do que os brancos em sua comunidade, em comparação com 42% dos suburbanos e apenas um terço dos urbanos quem diz o mesmo. E embora parcelas semelhantes de moradores de áreas urbanas e suburbanas apresentem disparidades no tratamento dos negros em pelo menos quatro dessas instituições (29% contra 24%), a parcela de residentes rurais que afirma isso é muito menor (16%).

As lacunas no tipo de comunidade se mantêm mesmo quando olhamos para negros e brancos em cada tipo de comunidade separadamente. Os brancos rurais são particularmente propensos a dizer que nenhuma das instituições de sua comunidade trata os negros de forma menos justa do que os brancos - 58% dos brancos rurais dizem isso em comparação com 49% dos brancos suburbanos e 43% dos brancos urbanos. Por outro lado, os brancos que vivem em áreas urbanas ou suburbanas são mais propensos do que os brancos que vivem em áreas rurais a dizer que três ou mais de suas instituições comunitárias tratam brancos e negros de maneira diferente (26%, 22% e 16%, respectivamente).


Parcelas relativamente baixas de negros em comunidades urbanas ou suburbanas dizem que nenhuma das instituições trata os negros com menos justiça do que os brancos (10% e 15%, respectivamente). Mas, embora dois terços dos negros nas áreas urbanas digam que quatro ou mais das instituições em sua comunidade tratam os negros de forma menos justa do que os brancos, a proporção é marcadamente menor entre os negros nas áreas suburbanas (53%). O tamanho da amostra de negros em áreas rurais é muito pequeno para fornecer estimativas confiáveis.