Há uns dias aconteceu em Guadalajara, no México, um evento de queda de granizo em grandes quantidades.

Será isto normal? O que causou tal queda de Granizo?

Tempestades com extensa queda de granizo associadas são fenómenos pouco comuns, mas não são anormais.
São pouco frequentes eventos deste tipo, mas todos os anos ocorrem em especial em áreas do globo favoráveis à génese de grandes sistemas de trovoadas.

Em Portugal temos registos bastante significativos de granizo, por exemplo, em Lisboa em Abril de 2011.

A queda de granizo ocorre quando grandes sistemas de trovoadas se tornam particularmente intensos, e atingem altitudes muito significativas, geralmente entre 10 e 18km de altitude.
A essas altitudes a temperatura pode cair até aos -80ºC, e formam-se grandes quantidades de gelo que circulam na nuvem de tempestade até atingirem um certo peso e caírem.
Quanto mais intensa a tempestade, mais fortes as correntes ascendentes que mantêm o gelo a circular e a crescer, e maior se torna o granizo.
A presença de ar seco nas  camadas mais altas da troposfera também ajuda à formação e manutenção de gelo, assim como potencia a formação de “contra correntes” descendentes, que, por mecanismos de arrefecimento evaporativo, geram uma descarga de ar frio e de chuva/granizo até à superfície ( Micro Burst ou Down Burst consoante a dimensão.)

No caso do México, é relativamente frequente ocorrer granizo, mas geralmente mais no norte do país…porquê? Porque no sul do México a influencia das massas de ar tropical é maior, e portanto há uma camada de ar quente e húmido com alguns quilómetros de espessura que faz com que o granizo derreta antes de chegar ao chão.

Guadalajara, apesar de estar no centro sul do México, também está a 1500m de altitude, o que teoricamente facilita a ocorrência de Granizo..no entanto o factor preponderante neste evento não foi esse.

Sucedeu que uma perturbação vinda dos Estados Unidos desceu até aquela latitudes, e interagiu com ar muito instável que se forma naquela região durante a Monção da América do Norte ( um fenómeno que descreve a estação chuvosa no oeste do México e Sudoeste dos EUA,  entre Junho e Setembro ).

Essa perturbação não só gerou uma dinâmica que facilitou a formação e manutenção de fortes trovoadas, como também arrastou ar mais seco e frio em altitude, potenciando a formação de granizo.

E as mudanças climáticas?

É impossível saber como teria sido este evento num contexto climático anterior ao atual regime de aquecimento.
Não cremos que esta situação em especifico se deva ás mudanças do clima, no entanto temos conhecimento que as mudanças na circulação atmosférica geradas pelo aquecimento global podem induzir alguns eventos de tempo extremo.

Por exemplo, ao haver uma diminuição dos gradientes de temperatura entre o Polo norte e o Equador, por via do degelo do Ártico ( Amplificação Ártica ), esperamos uma redução no fluxo geral de oeste na atmosfera das latitudes médias e subtropicais, isso gera mais eventos de bloqueio em que perturbações e anticiclones ficam sobre as mesmas áreas durante muito tempo, levando a fenómenos persistentes de calor, chuva, trovoadas e até de frio.

Bibliografia

https://www.researchgate.net/publication/222703147_Climate_change_and_hailstorm_damage_Empirical_evidence_and_implications_for_agriculture_and_insurance 

https://www.sciencedaily.com/releases/2019/02/190218153218.htm

https://www.zmescience.com/ecology/climate/climate-change-thunderstorm-043242/