• Principal
  • Notícia
  • O apoio à Al Qaeda era baixo antes (e depois) da morte de Osama bin Laden

O apoio à Al Qaeda era baixo antes (e depois) da morte de Osama bin Laden

visões da Al Qaeda entre os muçulmanos

Três anos atrás, os US Navy Seals lideraram um ataque a Abbottabad, no Paquistão, que resultou na morte do terrorista mais infame de nossa vida, Osama bin Laden. Sua morte foi recebida com mais alívio do que felicidade entre o público americano na época, mas também vale a pena lembrar que, antes de sua morte, a confiança no cérebro de 11 de setembro de 2001, os ataques terroristas haviam diminuído entre os muçulmanos em muitos dos países que pesquisamos.


O Pew Research Center vem pesquisando questões de extremismo em nações de maioria muçulmana há muitos anos. O apoio à Al Qaeda, a organização terrorista que Bin Laden fundou, era baixo entre o público muçulmano pesquisado quando fizemos a pergunta pela primeira vez em 2010, e permaneceu baixo em 2013, dois anos após o fim vergonhoso de Bin Laden.

Em nossa pesquisa de 2013, uma mediana de apenas 13% entre os muçulmanos nos 11 países pesquisados ​​tinha uma visão favorável da Al Qaeda, enquanto 57% tinham uma opinião desfavorável do grupo terrorista. O maior apoio foi nos territórios palestinos, onde 35% dos muçulmanos tinham uma visão favorável da Al Qaeda. Mas em outros lugares, menos de um quarto dos muçulmanos tem uma opinião positiva sobre a organização extremista. O apoio foi menor no Líbano, onde apenas 1% dos muçulmanos tiveram uma impressão favorável da Al Qaeda.

O apoio à Al Qaeda entre os muçulmanos despencou mais dramaticamente na Nigéria, em 40 pontos percentuais, durante o período de 2010 a 2013, provavelmente como resultado do aumento da atividade terrorista por Boko Haram, ligado à Al Qaeda. Na Jordânia, caiu 21 pontos entre os muçulmanos no mesmo período.

Além do baixo apoio do público muçulmano à organização Al Qaeda, o apoio a uma de suas táticas comuns, o atentado suicida, é geralmente rejeitado entre os muçulmanos pesquisados. Apenas 3% dos muçulmanos no Paquistão, onde Bin Laden viveu durante a maior parte dos anos após os ataques de 11 de setembro, disseram que os atentados suicidas eram freqüentemente ou às vezes justificados para defender o Islã de seus inimigos. E menos de dois em cada dez muçulmanos disseram isso na Indonésia (6%), Nigéria (8%), Jordânia (12%), Tunísia (12%), Turquia (16%) e Senegal (18%).


No entanto, no ano passado, minorias substanciais de muçulmanos no Líbano (33%) e no Egito (25%) disseram que o atentado suicida é uma tática aceitável em defesa do Islã. E nos territórios palestinos, 62% dos muçulmanos disseram isso.