• Principal
  • Notícia
  • Estudo: Pessoas religiosas mais propensas a rejeitar a ideia de que a vida não tem propósito

Estudo: Pessoas religiosas mais propensas a rejeitar a ideia de que a vida não tem propósito

FT_religion-purpose3Numerosos estudos mostraram que as pessoas religiosas são mais felizes na vida. Agora, um novo estudo descobriu que aqueles que acreditam em Deus sem dúvidas são mais propensos a discordar fortemente com a ideia de que a vida não tem sentido.


Stephen Cranney, do Population Studies Center da University of Pennsylvania, conduziu recentemente o primeiro estudo em grande escala que testa empiricamente a associação entre a crença em Deus e o sentimento de um propósito na vida.

FT_religion-happinessOs entrevistados da pesquisa que disseram acreditar em Deus sem dúvidas também discordaram fortemente (61%) da afirmação 'Na minha opinião, a vida não tem nenhum propósito'. Aqueles que disseram ter certeza de que não acreditavam em Deus ou que expressaram mais incerteza sobre sua crença tinham menos probabilidade do que os crentes firmes de rejeitar a declaração de que a vida não tem propósito. (Apenas 49% disseram discordar fortemente). Não houve diferenças estatisticamente significativas entre aqueles que estavam incertos e aqueles que não acreditavam em Deus.

Olhando para crentes e não crentes combinados, a grande maioria de todos os entrevistados discordou fortemente (56%) ou discordou (36%) que a vida não serve a um propósito, com apenas 3% dizendo que concordaram ou concordaram fortemente.

Os dados mais recentes sobre felicidade e crença religiosa de uma pesquisa do Pew Research Center mostram que pessoas religiosas, em geral, são mais felizes do que pessoas não religiosas.


Adultos que frequentavam serviços religiosos uma vez por semana ou mais frequentemente eram significativamente mais propensos a relatar que se sentiam 'muito felizes' (36%) do que aqueles que compareciam raramente ou nunca (23%), e menos propensos a dizer que estavam 'muito felizes' ( 46% vs. 55%) ou 'não muito feliz' (13% vs. 19%). Aqueles que frequentam os serviços mais de uma vez por semana são os mais felizes, com 43% relatando que estão 'muito felizes'.