• Principal
  • Notícia
  • Então, quão diferente é o novo Wall Street Journal de Rupert Murdoch?

Então, quão diferente é o novo Wall Street Journal de Rupert Murdoch?

por Mark Jurkowitz, Diretor Associado, Projeto de Excelência em Jornalismo


Rupert Murdoch ganhou as manchetes esta semana com a renúncia deWall Street Journalo editor administrativo Marcus Brauchli, uma oferta relatada de US $ 580 milhões paraNewsdaye mais conversas sobre como ele está transformando oDiárioA cobertura da primeira página para abordar oNew York Times.

Como o senhor de 119 anosDiáriomudou desde que o magnata australiano da mídia assumiu o controle do jornal em 13 de dezembro de 2007? Um exame do Projeto de Excelência em Jornalismo tem os números. O estudo olhou para oDiárioprimeira página a cada dois dias da semana.

Nos primeiros quatro meses da administração de Murdoch, oDiárioA primeira página mudou claramente de foco, tirando a ênfase da cobertura de negócios que era a franquia do jornal, enquanto colocava muito mais ênfase na política doméstica e devotava mais atenção às questões internacionais. Mas não é, pelo menos não ainda, tão amplo quanto oNew York Timesnos mesmos dias.

Figura

Sob o regime de Murdoch, a maior mudança na cobertura da primeira página ocorreu na política e na campanha presidencial. De 13 de dezembro de 2007 a 13 de março de 2008, a cobertura mais do que triplicou, saltando para 18% do newshole em comparação com 5% nos quatro meses anteriores à mudança de propriedade.


Como a primeira página tem uma quantidade finita de espaço, esse aumento na cobertura política parece ter ocorrido em grande parte às custas das notícias de negócios. Na era Murdoch, a cobertura da América corporativa caiu em mais da metade - de 30% para 14% do espaço da primeira página nos meses anteriores à venda.



Figura

Entre os outros ganhos notáveis ​​na era Murdoch está a cobertura de eventos estrangeiros que não envolvem diretamente os EUA, que saltou de 18% para 25%. (Aproximadamente um terço disso (9%) está relacionado a assuntos econômicos e comerciais no exterior.)


A cobertura do governo também aumentou um pouco, passando de 3% para 4%.

Além do ritmo de negócios, outros assuntos que experimentaram quedas na cobertura de Murdoch incluem saúde e medicina, que caiu de 5% para menos de 1%. Os problemas de transporte caíram de 3% para 0% nos dias estudados. E o meio ambiente caiu de 3% para 1%.


Várias categorias principais apareceram inalteradas. A economia - que inclui a economia vacilante dos EUA, a crise das hipotecas e outras preocupações macro - permaneceu em 15%. A cobertura de eventos estrangeiros nos quais os EUA desempenharam um papel importante tem se mantido estável em 4%, assim como a cobertura de estilo de vida (cerca de 4%) e educação (3%).

Um exemplo claro da mudança na agenda de notícias foi oDiárioPrimeira página em 21 de abril, um dia antes das primárias da Pensilvânia. O jornal começou com um pacote de duas histórias de campanha sob o título, “Últimos ataques atrapalham os democratas”. Uma história lembra a formação política de Barack Obama como político de Chicago e a outra narra as crescentes preocupações dos líderes do Partido Democrata sobre a dura batalha das primárias. Um mais tradicionalDiárioA história - narrando problemas em bancos de pequeno a médio porte - estava na metade inferior da página, onde dividia espaço com um artigo sobre como aliviar as tensões entre a China e uma pequena ilha controlada por Taiwan.

Desde que Murdoch demonstrou interesse pela primeira vez noDiário, muito se falou de seu aparente desejo de reformular o jornal, a fim de desafiar mais diretamente oNew York Times. (Um recenteNewsweekhistória sobre Murdoch relatou que ele enviouVezesao editor Arthur Sulzberger Jr. uma carta declarando 'Que comece a batalha.')

Figura

Então, como vai a agenda de notícias de Murdoch'sDiáriocompare com o doVezes? Uma análise das primeiras páginas de ambos os jornais de 13 de dezembro a 13 de março revela que eles não são os mesmos, certamente não ainda. Quando se trata de política, oDiário, com 18% do newshole dedicado ao tópico, aproximou-se muito de seu possível novo rival. Mas não alcançou oVezes, que ocupou 27% de sua nova frota com política nesses quatro meses.


Apesar da cobertura reduzida de negócios, oDiárioAs primeiras páginas ainda deram muito mais cobertura a esse problema (14%) do que oVezesfez (4%). E aDiáriogerou consideravelmente mais cobertura de economia (15%) do que oVezes(9%).

Sobre o assunto de relações exteriores envolvendo os Estados Unidos, oVezes(em 8%) produziu cerca de duas vezes mais cobertura do que oDiário(4%). Mas o impulso noDiárioA cobertura de eventos internacionais não diretamente relacionados aos EUA (25%) ultrapassou oVezes‘Atenção a esse assunto (17%). Deve-se notar, entretanto, que oDiárioA liderança nessa categoria deriva de seu interesse em negócios e economia estrangeiros, que combinaram para preencher 9% da nova capa do jornal. NoVezes'Primeiras páginas, negócios internacionais e economia representaram apenas 1% da cobertura.

Até agora, na era Murdoch, o campo de batalha recém-estabelecido entre osDiárioeVezesparece estar localizado principalmente no campo de jogo da política.

Leia mais sobre as tendências atuais na mídia de notícias em journalism.org.