Os combustíveis, hidrocarbonetos (hidro = água ; carbonetos = carbono), são derivados do petróleo, que por sua vez se originou a partir de material biológico que se decompôs há vários milhões de anos.
São particularmente ricos em água e carbono, e a sua combustão leva à “separação” química dos seus compostos, em reacções a alta temperatura com o oxigénio do ar.

Isto leva à libertação de dióxido de carbono e de grandes quantidades de vapor de água. https://iopscience.iop.org/article/10.1088/1748-9326/aa8390/pdf

Quando este vapor de água é libertado para a atmosfera gera extensas faixas de nuvens artificiais cuja permanência no céu depende da humidade atmosférica.
Ou seja, se as camadas já tiverem muita humidade, este excesso de água demora mais tempo a misturar-se, e os rastos de condensação ou contrails demoram mais a dissiparem-se, enquanto que se a atmosfera estiver mais seca, os contrails dissipam-se com rapidez.

Geralmente podemos inferir que quando existem muitos contrails ou nuvens altas, poderá estar a passar por perto uma área de maior instabilidade na atmosfera, enquanto que quando observamos a sua rápida dissipação o mais certo é que a atmosfera esteja bastante estável e seca.

Como prever os contrails?

Usamos o mesmo método que se usa para prever a ocorrência de nuvens altas.

Utilizamos um gráfico de skew-t, onde se mostra o perfil de temperatura e do ponto de condensação do ar desde a superfície da terra até aos 15-16km de altitude (nível de pressão dos 100hpa ), sendo que o nível de voo dos aviões de situa aproximadamente entre os 300 e os 200hpa.

Quando a linha da temperatura está afastada da linha de condensação, o ar está bem mais quente do que aquilo que seria necessário para condensar, ou seja, o ar está pouco saturado, ou com baixa humidade relativa.
Nestes casos, a atmosfera está seca e a formação de contrails é improvável.

Quando a linha de temperatura está junto da linha de condensação, a atmosfera está a uma temperatura suficientemente fria para que se dê condensação do ar, e portanto há muita humidade.
Nestes casos, a formação de contrails é bem mais provável.

Quais os efeitos dos contrails na atmosfera?

Os efeitos dos contrails são bem conhecidos, são na verdade os mesmos que se observam com a presença de nuvens altas.

Tendem a causar dias ligeiramente mais frescos e noites menos frias.

Em larga escala, com o desenvolvimento massivo da industria aeronáutica nos últimos 30 anos, a sua presença tem aumentado e poderá gerar impactos em alguns factores dinâmicos da atmosfera.

Neste momento temos uma ideia geral do que a sua presença implica, mas não se sabe ao certo até que ponto o aumento constante destas emissões artificiais na alta troposfera poderão gerar algumas alterações no comportamento geral da atmosfera…a ocorrer algum impacto este será em geral pouco significativo quando comparado com outros processos naturais como a libertação de aerossóis nas regiões desérticas, as erupções vulcânicas ou os ciclos oceânicos como o El Niño.

Ainda assim existe algum debate cientifico quanto a este tema.

Bibliografia técnica:
https://www.nature.com/articles/s41612-018-0046-4
https://www.nature.com/articles/s41467-018-04068-0
https://www.atmos-chem-phys-discuss.net/acp-2018-1294/