Mídia vista como justa, mas inclinada para o sangrento

Introdução e Resumo

Os eleitores geralmente acreditam que a mídia foi justa com os dois principais candidatos presidenciais, mas muitos dizem que a imprensa foi justa com Al Gore do que com George W. Bush. 74% dos eleitores dizem que o vice-presidente recebeu tratamento justo da imprensa, enquanto 65% dizem o mesmo sobre Bush. Quase seis em cada dez eleitores acreditam que os jornalistas muitas vezes permitem que suas preferências políticas influenciem a cobertura de notícias, e uma pluralidade vê uma inclinação pró-Gore aqui também. O dobro de eleitores dizem que a mídia está buscando uma vitória de Gore em comparação com aqueles que pensam que a mídia espera uma vitória de Bush.


Como no passado, os eleitores tendem a ver a cobertura da campanha da mídia por um prisma partidário. Apenas 48% dos republicanos julgam a cobertura da campanha de Bush justa, enquanto 43% a consideram injusta. Os democratas e independentes, por outro lado, consideram a cobertura de ambas as campanhas justa. Três quartos dos democratas - e o mesmo número de independentes - dizem que a mídia tem sido justa com Bush. Mais de sete em cada dez democratas, independentes e republicanos dizem que Gore recebeu um tratamento justo. No geral, mais eleitores dizem que o vice-presidente está recebendo um tratamento justo da imprensa do que disse isso sobre Bill Clinton em setembro de 1996.

Nos últimos oito anos, houve um aumento no número de eleitores que afirmam que os repórteres costumam permitir que suas preferências políticas moldem a cobertura jornalística. Totalmente 57% dos eleitores têm essa opinião agora, em comparação com 49% em setembro de 1992. Quase nove em cada dez (89%) dizem que os jornalistas pelo menos às vezes deixam que suas opiniões políticas afetem a cobertura, enquanto apenas 9% dizem isso raramente ou nunca ocorre.

Quase metade dos eleitores (47%) afirma que a maioria dos jornalistas está torcendo por Gore, em comparação com apenas 23% que afirmam que a maioria dos membros da mídia espera uma vitória de Bush. As inclinações políticas dos eleitores também são importantes nesta questão: enquanto dois terços dos republicanos acreditam que a mídia espera uma vitória de Gore, apenas 36% dos democratas concordam. Além das divisões partidárias, aqueles que acompanham as notícias da campanha de perto têm mais probabilidade de dizer que a mídia quer que Gore ganhe - 54% dos que acompanham o desenvolvimento da campanha de perto acham que a maioria dos jornalistas está no campo do vice-presidente, enquanto 18% dos este grupo afirma que a maioria dos jornalistas quer que Bush vença.

No entanto, nas duas eleições anteriores, a lacuna geral nesta questão foi ainda maior - em setembro de 1996, 59% dos eleitores disseram que a maioria dos membros da mídia queria que Bill Clinton vencesse, enquanto apenas 17% acreditavam que os jornalistas queriam que Bob Dole prevalecesse. Em 1992, 52% achavam que a maioria dos repórteres queria que Clinton vencesse; 17% disseram que a mídia esperava uma vitória do presidente Bush.


Mais Veja Bush Indo Negativo

A última pesquisa do Pew Research Center, conduzida de 4 a 8 de outubro entre 1.009 eleitores, também examinou as atitudes do eleitorado em relação à condução da campanha e os anúncios veiculados por ambos os candidatos. Quatro em cada dez eleitores dizem que Bush tem criticado Gore pessoalmente, enquanto metade acredita que ele não foi excessivamente crítico. Em contraste, 29% acham que o vice-presidente tem sido muito crítico com Bush, enquanto 61% discordam.



Curiosamente, uma pluralidade de apoiadores de Bush (49%) diz que Gore não foi excessivamente crítico de seu candidato, enquanto 42% acreditam que o vice-presidente foi muito negativo. Quase seis em cada dez apoiadores de Gore (57%) dizem que o governador do Texas tem criticado Gore pessoalmente, enquanto 34% dizem que não.


Cerca de seis em cada dez eleitores viram os anúncios de cada campanha - 61% viram os anúncios de Bush, enquanto 57% viram os de Gore. A disparidade regional nessa questão ressalta a importância política do Meio-Oeste na campanha atual. Sete em cada dez eleitores nesta região viram anúncios de cada um dos candidatos, o maior número entre qualquer seção do país. Questionados sobre qual candidato tinha sido mais visível - em anúncios e cobertura de notícias - na semana anterior à pesquisa, uma pluralidade de entrevistados (42%) disse ter ouvido falar sobre os dois candidatos igualmente, 30% mencionaram Gore e 22% citaram Bush.

Classificando os Anúncios

Os eleitores dão aos candidatos notas comparáveis ​​para seus anúncios de campanha. Aproximadamente quatro em dez (39%) dizem que os anúncios de Gore merecem uma nota A ou B, 36% dizem o mesmo dos anúncios de Bush. 64% dos democratas dão aos anúncios de Gore as notas mais altas, enquanto 59% dos republicanos dão às posições A ou B. de Bush. Os independentes ficam um pouco mais impressionados com os anúncios de Gore - um terço dá aos anúncios de Gore as notas mais altas, em comparação com 28% que dão A ou B para os anúncios de Bush.


Os democratas têm uma visão mais favorável dos anúncios de Bush do que os republicanos dos de Gore. Mais de um terço dos eleitores do Partido Republicano (36%) dão aos anúncios de Gore uma nota de reprovação; 17% dos democratas reprovam os anúncios de Bush. No total, seis em cada dez eleitores democratas dão aos anúncios de Bush uma nota C ou superior, enquanto 44% dos republicanos atribuem um C ou superior aos anúncios de Gore.