Joseph era Imhotep



Ficção sobre fato
Pseudo-história
Ícone antigo aliens.svg
Como não aconteceu
Pregar para o coro
Religião
Ícone religião.svg
Ponto crucial da questão
Falando no diabo
Um ato de fé

A ideia de que o José do Antigo Testamento era Imhotep é uma mistura da usual 'história bíblica' pseudo-histórico distorção, com um pouco de apelo cruzado para o lunático franja 'Alternativa' egiptologia nozes . É um tipo de supermercado anti-intelectual, anti-histórico, com algo para todos .

Conteúdo

Historiografia

Jason Colavito traçou a historiografia da conexão entre pirâmides e Joseph silos de grãos até o final da antiguidade e início medieval escritoras Baleia julius e Gregório de Tours . Honorius 'Cosmographia, provavelmente escrito no século 4 ou 5 dC, mencionou especificamente que as pirâmides eram os celeiros de José, enquanto o século 6 de GregórioHistória dos francosaludiu à mesma ideia, mas sem usar a palavra 'pirâmide'. No entanto, como Colavito aponta, essas idéias floresceram apenas durante a Idade Média em Europa quando o acesso e conhecimento de antigo Egito era extremamente escasso, e assim que o contato e o conhecimento começaram a se intensificar no início da era moderna (do século 16 em diante), a ideia de que as pirâmides eram os celeiros de José rapidamente diminuiu. Assim, mais uma vez, um Literalista bíblico / criacionista alegação pode ser rastreada para tirar a poeira de algum estudo desatualizado e / ou duvidoso (por exemplo, Gregory aparentemente sabia pouco sobre terras estrangeiras ou a história da antiguidade) e tentar colher cerejas ou PIDOOMA qualquer coisa que possa, mesmo remotamente, ser interpretada como adequada a esses argumentos ultrapassados.

Reivindicações

Em suma, a afirmação é muito simples. Basicamente, Imhotep, o Vizir da 3 Dinastia Faraó Djoser , era Joseph do Antigo Testamento , que foi vendido para escravidão no Egito por seu bom, temente a Deus Abraâmico família ( Gênesis 38:27 ) Assim, José não era 'apenas mais um asiático' esquecido pela história egípcia, mas a maior influência isolada em toda a civilização.

Nomes e etimologia

Todos os sites que promovem essa teoria evitam abordar os caprichos da língua egípcia de maneira decisiva:


Imhotep era reverenciado como filho de PTAH, um criador Deus de Memphis, o deus patrono dos artesãos; igualado pelos gregos com Hefesto. O culto a Imhotep atingiu seu apogeu na época greco-romana, quando pessoas doentes dormiam em seus templos com a esperança de que o 'deus' lhes revelasse remédios em sonhos - bem como Edgar Cayce habilidades lendárias de. O 'TA' em Ptah significa terra. Pegue o P e H e adicione-os a (D) Jose (r) e você terá Joseph - o que não significa nada, mas é interessante da mesma forma.
—Betty Rhodes

Rhodes aqui prontamente admite que sua ginástica etimológica é inútil, então por que incluí-la, exceto para plantar sugestões nos crédulos, talvez? Além disso, deve-se enfatizar que a etimologia do nome Ptah está longe de ser certa, e não há consenso acadêmico sobre o assunto (além de todos concordarem que ninguém sabe ao certo). Evidentemente, Rhodes também brincou com um programa 'Escreva seu nome em hieróglifos' e apresentou alguns resultados não muito interessantes, reproduzidos aqui com Jsesh. Observe que as únicas diferenças são a cor e o tamanho para facilitar a leitura, e a orientação de todos os textos para ler LTR, de acordo com a prática de transcrição padrão:



Imhotep001.png

As questões com isso devem ser tratadas linha por linha.


Zaphanathpaaneah

Aqui, Rhodes está se envolvendo em um experimento infundado com sérios mal-entendidos sobre a escrita egípcia. Ela simplesmente soletrou o tradução do inglês do nome em hieróglifos monolitais, da forma como os vendedores de souvenirs egípcios fazem, até o erro impossivelmente estúpido deescrevendo o p e h e t e h como símbolos separados. Por que não usar o hebraico ? Afinal, o hebraico é um primo distante do egípcio, e eles compartilham valores fonéticos muito mais próximos do que o inglês e o egípcio. Isso dá (muito duvidosamente) 'sfntp3nẖ' - no mínimo, aproximadamenteoitosons seriam esperados para as oito letras hebraicas (tz-ph-n-th-p -'- n-kh) - possivelmente mais ou menos, mas certamente nãoquinze!

O que este exercício mostra não está muito claro, além de ser possível renderizar o tradução do inglês nome em hieróglifos, o que obviamente não é mais uma 'coincidência' do que ser possível transliterar o nome de Hu Jintao no Latina alfabeto. Ainda assim, seria divertido, mas inútil, se não fosse totalmente errado.


A tradução de 'H' em egípcio é notoriamente complicada, devido aos valores fonéticos usados ​​em egípcio. Inglês (e, portanto, a transliteração em Inglês de Zaphanathpaaneah) tem apenas um som 'H' (como em 'house' ou 'horse'). O egípcio tem quatro 'sons H' - H como em 'cavalo' (no Alfabeto Fonético Internacional, / h /), um 'H' pronunciado enfaticamente (/ ħ /), um som 'KH' mais gutural, equivalente ao ' lo CH 'na pronúncia escocesa (/ χ /), e seu primo mais suave, equivalente ao' i CH 'em alemão (/ ç /). Eles são tratados como valores inteiramente separados em egípcio e têm diferentes signos monoliteral. Isso novamente nos faz perguntar por que Rhodes não tentou esse exercício interessante, mas sem sentido, entre hebraico e egípcio.

Finalmente, talvez um ponto um tanto menor, mas nenhum hieróglifo que poderia representar o nome 'Zaphanathpaaneah' (ou o Septuaginta 's' Psonthomphanech ') já foram encontrados. Nunca. Nem uma vez.

Imhotep

Não, ele não era Bubba ou.

A versão dada aqui por Rhodes está incorreta técnica e historicamente. Esta versão nunca foi usada para escrever o nome de Imhotep, o motivo é que está errado. O sinal de laço, 4 da esquerda (V4 na classificação de Gardiner) tem o valor fonético 'w3', não' O '.

A versão que ela dá abaixo (observada na reprodução como 'conforme escrita historicamente') é de fato correta. Observe como suas duas representações ficcionais de Imhotep e Zaphanathpaaneah parecem vagamente semelhantes, de uma forma contraída, mas no caso do exemplo histórico não se sustentam.


Ptah

Esta renderização está escrita incorretamente. O som 'A' em Ptah é uma corrupção moderna. O nome de Ptah em hieróglifos foi traduzido 'ptḥ', e é vocalizado academicamente como' Pteh 'ou' Peteh ', já que as palavras egípcias ainda não são totalmente compreendidas em suas formas pré-coptas (todos os sistemas de escrita egípcios pré-coptas omitiam vogais, da mesma maneira que os antigos sistemas árabe e hebraico )

No que diz respeito à etimologia, Rhodes está totalmente correto em uma de suas afirmações ... 'Não significa nada, mas é interessante, mesmo assim'.

Silos de grãos de Imhotep

Diagrama de corte de mastaba típica

O site 'Joseph e Israel no Egito' mostra fotografias aéreas do complexo da Pirâmide Escada em Saqqara, incluindo o que o autor afirma serem silos de grãos.

Eles são, na verdade, nada disso. Eles estão tumbas mastaba , grandes estruturas retangulares contendo uma capela tumular, oferecendo área e porta falsa para o falecido, e uma câmara mortuária oculta no fundo de um poço acessado apenas por cima para mantê-la segura. Os depósitos egípcios reais eram depósitos longos e estreitos. As fotos de comparação podem ser vistas abaixo:

Mastaba Revista / Silo de Armazenamento
Vista aérea das mastabas em Saqqara chamadas 'silos' pela J & IiE Vista aérea de revistas de armazenamento reais, no Ramesseum
Mastabas vistas do solo Revistas de armazenamento Ramesseum da vista do solo

Da vista aérea, é possível que algumas pessoas possam ser erroneamente enganadas por este engano por deturpação . Uma visão do solo rapidamente deixa claro para todos que as duas estruturas são totalmente diferentes. A única razão para usar uma imagem aérea com muito zoom (e, portanto, pouco nítida) é para enganar.

Mary Nell Wyatt também menciona os celeiros / silos de Imhotep-Joseph, mas concentra-se em diferentes estruturas, também em Saqqara, e não muito longe da Pirâmide Escalonada de Djoser, alguns poços muito grandes cavados na rocha viva. No entanto, estes não estão totalmente relacionados com o complexo da pirâmide e datam de um período de tempo completamente diferente, da Dinastia 26 (século 7 BCE ) em diante. O autor, aparentemente, tem pouco conceito de imaginar um arqueológico site em 4 dimensões (em 3 dimensões de espaço e também na 4 dimensão, Tempo ), que é fundamental para compreender o seu desenvolvimento. Wyatt escreve:

Ao redor da Pirâmide Escalonada, a primeira construída, há uma parede muito bonita e elaborada contendo 13 entradas falsas e uma real. Na entrada principal na parede leste na extremidade sul, entra-se em um longo corredor de 40 colunas - 20 de cada lado. Cada coluna é conectada à parede principal por uma parede perpendicular, formando pequenas salas entre cada coluna. Ao sair desta colunata e caminhar em frente, você chega a uma série de poços muito grandes que se estendem profundamente na terra.
—Mary Nell Wyatt

Para Wyatt, o fato de esses recursos agora poderem ser vistos ao mesmo tempo e próximos deve significa que foram construídos ao mesmo tempo e para um propósito comum. Na verdade, o tempo entre a construção do salão hipostilo e os túmulos de poço é maior do que o tempo entre a morte de Júlio César e os dias atuais.

Ela então contesta o consenso entre os egiptólogos de que essas estruturas eram tumbas, afirmando que existem:

  • Não Subterrâneo - Bem, são buracos no chão. Pela maioria das definições sensatas, isso é subterrâneo. Se com isso o autor quer dizer que estão abertos ao ar, bem, agora estão, porque foram escavados. Eles foram originalmente cobertos.
  • Incrivelmente Grande - Para ser honesto, dizer que algo não pode ser um túmulo porque é muito grande e / ou exagerado em relação a qualquer coisa do Egito faraônico é como tentar argumentar que o céu é verde. Também deve ser observado que essas tumbas de poço continham, e eram destinadas a, vários enterros.

Saqqara era uma 'cidade'

Santuários em modelo no recinto piramidal de Djoser em Saqqara. Observe que onde a estrutura do meio está parcialmente arruinada, o núcleo de pedra sólida pode ser visto claramente, mostrando que o edifício é uma 'falsa', ou modelo. Além disso, apenas visível na imagem, a parede em branco atrás da 'porta' na estrutura à esquerda pode ser vista.

Wyatt citar minas o útil mas desatualizadoCetro do egitopor William Hayes, para retratar Saqqara como uma cidade viva e ativa. No entanto, a citação de Hayes de uma 'verdadeira cidade em si' é levada a sério fora do contexto, pois Hayes continua:

Esses edifícios notáveis, escavados e restaurados pela expedição do governo egípcio em Sakkareh, são réplicas em pedra das estruturas de madeira leve, junco e tijolos de épocas anteriores
—William Hayes

O que Hayes não deixa totalmente claro é que o cerco em torno da pirâmide de degraus (mas não as mastabas ao redor, além da parede do cerco) é preenchido com o que parecem ser edifícios para o observador casual. Todos esses edifícios são 'falsos'. São estruturas fictícias, de pedra maciça sem espaços internos (exceto o espaço ocasional a profundidade da porta aberta), construídas para fins religiosos para servir de pátio para o faraó para celebrar seus jubileus na vida após a morte. Embora algumas revistas teriam existido para fornecer os cultos do templo do falecido Faraó, este lugar não era um palácio ou cidade real. O verdadeiro tesouro e celeiros durante o tempo de Djoser ficavam em Memphis propriamente dita, um local principalmente enterrado sob milênios de aluvião do Nilo acumulado e que, templos à parte, foi construído com tijolos de barro, um material que tem a tendência infeliz de se dissolver em agua .

Cronologia

A maioria dos sites que lidam com a história de Imhotep = Joseph contorna silenciosamente o enigma cronológico em que sua afirmação mergulha de cabeça. Apenas Wyatt lida com isso, e de uma forma muito interessante.

Cronologia Convencional Ark Disc. Cronologia Evento
n / D c. 2348 Dilúvio bíblico
c. 3200-3000 c. 1915 Abraham traz sabedoria para o Egito
c. 2660 c. 1715 Reinado de Djoser, com Imhotep como vizir

Embora haja algum debate entre os egiptólogos sobre a datação de eventos na história egípcia, a grande maioria deste discurso ocorre dentro da estrutura geral da apropriadamente denominada Cronologia Convencional, diferindo principalmente em datas mais exatas dentro das margens de erro gerais para cada período, que variam de ~ 100 anos para o início do Império Antigo, a 20-30 anos no Império do Meio, 10-20 anos no Império Novo, antes de se tornarem insignificantes (dias ou meses individuais) no Período Tardio.

Muitas fontes foram usadas de pesquisas arqueológicas e textuais para chegar a essa cronologia, incluindo Listas de Reis (como a Pedra de Palermo, o Cânon de Turim e o velho e querido Manetho). A duração do reinado também pode ser confirmada (ou corrigida) por evidências arqueológicas. Por exemplo, blocos de um templo de Akhenaton, com seu cartucho, foram encontrados quebrados e usados ​​como material de preenchimento no 2 pilar do Presciente de Amun-Ra em Karnak, construído por Horemheb. Portanto, sabemos com certeza que Horemheb reinou depois de Akhenaton. Da mesma forma, a distribuição de anos de reinado em artefatos de reinados bem atestados pode confirmar ou corrigir nosso conhecimento das Listas de Reis sobre a duração de um reinado. Se tivermos muitos artefatos até o ano 10 do FaraóX, mas nada além disso, confirmaria uma duração de reinado de pelo menos 10 anos, mesmo se o Cânon de Turim relatar um reinado de 5 anos.

A datação também pode estar ligada a certos reinados por eventos em que a civilização egípcia interage com outras, por exemplo, sabemos com absoluta certeza que o Faraó Amunotep III da 18 dinastia foi contemporâneo do rei hitita Tushratta, pois eles trocaram correspondência diplomática que sobreviveu, e que Ramsés II foi contemporâneo de Muwatalli II devido às inscrições que ambos deixaram alegando triunfo sobre o outro em Kadesh, bem como uma cópia do tratado de paz subsequente, uma cópia do qual foi preservada no templo de Karnak.

Além disso, podemos usar registros de observações astronômicas da época, que registram a data de reinado em que foram feitas, para ancorar a cronologia do reinado egípcio em uma data astronômica absoluta. Uma dessas observações que os egípcios registraram é a ascensão helicoidal de Sirius (spdtpara os egípcios). Quando uma localização é registrada (ou pode ser determinada por outros detalhes), ela pode fixar uma data de reinado em uma data absoluta dentro de uma janela de 4 anos.

Finalmente, qualquer material orgânico recuperado de um contexto arqueológico pode ser datado por análises científicas, como C (Datação por radiocarbono. A datação não é amplamente usada na egiptologia, pois sua margem de erro é normalmente de 40 anos para itens com menos de 10.000 anos, o que a torna menos precisa do que os modelos históricos para a maioria dos períodos da história egípcia.

Para concluir as questões cronológicas, embora a egiptologia possa não ser capaz de dar uma data absoluta exata para cada evento na história egípcia, sua estrutura geral é muito mais estabelecida e certa em comparação com Literalismo bíblico e teorias 'alternativas'. Certamente tem uma base muito melhor do que a cronologia baseada na literalidade apresentada por Wyatt, que é simplesmente implausível quando comparada com os métodos amplamente usados ​​e aceitos de datação, que estão listados acima.

Lista de comparação

Emmet Sweeny fornece uma lista de comparação útil entre Imhotep e Joseph, observando semelhanças aparentes em suas vidas. Uma reprodução é dada abaixo, com notas ponto a ponto. Também deve ser notado que a maioria desses 'pontos' para Imhotep vêm da Estela da Fome, que Sweeny interpretou erroneamente de várias maneiras significativas, que são abordadas na seção Estela da Fome desta página. As refutações aqui devem lidar com arqueologia ao invés de referências textuais, na medida do possível.

Joseph Imhotep Comentário
Segundo em comando sob o Faraó Segundo em comando sob o faraó Djoser Imhotep era de fato vizir. Nenhuma evidência de que um 'Joseph' tenha sido vizir.
Viveu até os 110 anos de idade Viveu até os 110 anos de idade Nenhuma evidência de uma vida longa para Imhotep. Os administradores frequentemente serviam sob vários faraós, nenhuma evidência de Imhotep sobreviver a Djoser, que reinou por menos de 30 anos, nem de ele servir ao predecessor de Djoser. Nenhuma evidência da existência de Joseph.
Grande arquiteto e construtor Grande arquiteto e construtor Imhotep certamente foi, universalmente reconhecido. Nenhuma evidência arquitetônica em todas as obras de construção de Joseph, nem de sua existência.
Milho armazenado durante 7 anos. de abundância Milho armazenado durante 7 anos. de abundância A única evidência da existência ou armazenamento de grãos de Joseph é a Bíblia. A tributação dos grãos e o armazenamento desses grãos eram fundamentais para a administração egípcia e são anteriores a Imhotep.
Vi sete anos de pessoas alimentadas pela fome Vi sete anos de pessoas alimentadas pela fome Esta é uma virtude egípcia estereotipada que foi dita de qualquer bom funcionário. 'Eu alimentei os famintos e vesti os nus. Eu transportava o barco sem barco ... 'Texto totalmente padrão. Joseph, nenhuma evidência.
Intérprete de sonhos Intérprete de sonhos Comum para homens sábios em todo o mundo antigo. Nada de emocionante. Até um escriba da cidade operária de Deir el Medina (dificilmente um cortesão) tinha um dicionário de sonhos em sua biblioteca pessoal, para interpretar sonhos.
Construiu pirâmides e palácios Construiu pirâmides e palácios Imhotep. Sim, consulte a etapa da pirâmide e o tribunal de Heb Sed. Joseph, veja; ??? Hmmm
Supervisor de Médicos Era um médico Imhotep. Desconhecido durante a vida, mas teve uma reputação por isso uma vez deificado. Provavelmente, portanto, mas dificilmente conclusivo. A sabedoria costumava ser associada ao conhecimento médico no Egito. Joseph, sim. A Bíblia diz isso.
Instituído imposto de Renda de 20% Imposto de renda instituído de 20% Não. O Egito já tinha imposto de renda, e era uma taxa variável dependendo da localização e método de irrigação da terra.
Casado com o Sacerdócio de 'On' Casado com o Sacerdócio de 'On' Imhotepestavaum sacerdote de Heliópolis. Ele não se casou com isso. Nenhuma evidência de Joseph fora da Bíblia.
Conhecimento de Astrologia Conhecimento de Astrologia Não há evidência de astrologia no sentido ocidental sendo usada no Egito, embora astronomia era praticada e tinha um significado religioso e teológico muito forte, mas não há evidências de que ela assumisse o papel que tem no Ocidente, de retratar eventos futuros. Como tal, Imhotep não poderia ser um 'astrólogo', embora, como sacerdote de Heliópolis, possivelmente tenha sido treinado emastronomia, que foi um aspecto importante do sacerdócio Heliopolitano.
Casaco de muitas larguras / cores - Nada a ver com Imhotep, embora, sendo um cortesão de confiança, ele provavelmente tivesse roupas muito bonitas. Joseph's foi atualizado pelo Technicolor.
Tornou-se um homem educado Um poeta e escritor médico educado Joseph, como sempre. Imhotep obviamente foi capaz e educado, mas nenhuma evidência conclusiva de que ele escreveu os textos atribuídos a ele, embora seja possível que ele tenha feito, mas eles agora estão perdidos.
Supervisor de obras públicas Supervisor de obras públicas Imhotep é confirmado nesta função. Nada além de mito bíblico para Joseph.
História lendária História lendária Uma coisa que ambos têm em comum
Nome significa adicionar, aumentar, unir ou reunir Nome significa aquele que vem em paz sim. E?
Um de 12 irmãos Um de 12 irmãos Nenhuma evidência sólida de qualquer um.

Estela da fome

The Famine Stela, Ilha do Sahel, Aswan

Sweeny e Wyatt fazem uso dos chamados Estela da fome na Ilha de Sahel, Aswan, ao criar uma 'biografia' de Imhotep, com Wyatt fazendo referência específica a ele e Sweeny usando-o como base para muitas das supostas semelhanças entre as vidas de Joseph e Imhotep, cuja arqueologia (ou seja, nenhuma ) é discutido acima.

No entanto, alguns detalhes sobre a estela e seu conteúdo são omitidos ou distorcidos no uso desta fonte.

Na inscrição, o faraó está preocupado com a fome e pergunta a Imhotep quem é o deus do Nilo, para que ele possa se aproximar dele sobre a seca: '... Eu perguntei a ele quem era o camareiro, ... Imhotep, o filho de Ptah ...' Qual é o local de nascimento do Nilo? Quem é o deus aí? Quem é o deus? '' Imhotep responde: 'Eu preciso da orientação dAquele que preside sobre a rede de caça, ...'
—Mary Nell Wyatt

Wyatt fez uma citação incorreta da tradução e editou-a de maneiras secundárias, mas de importância vital, que mudam completamente o significado do texto.

Eu direcionei meu coração para o passado,

Consultei um dos funcionários do Ibis,
Prêmio Leitor Chefe de Imhotep,
Filho de Ptah ao sul de sua muralha;

- Em que lugar Hapy nasceu?
—The Famine Stela, traduzido por Miriam Lichtheim

A parte importante está em negrito aqui. O Faraó, Djoser, énãodirigindo-se a Imhotep, seu vizir. Ele está se dirigindo ao sacerdote do culto deDeusImhotep. O padre é quem fornece as informações, não Imhotep. As supostas semelhanças entre Imhotep e Joseph, como o estabelecimento de um imposto para evitar a fome, baseiam-se nessa tradução incorreta.

Deve-se notar que as primeiras traduções deste texto foram mal interpretadas dessa maneira, e alguns egiptólogos ainda contestam isso, mas a maioria das opiniões acadêmicas está agora de acordo com a interpretação apresentada por Lichtheim.

Conclusões

Nenhum dos pontos avançados pelos vários sites que promovem essa ideia se mantém. E embora todos eles falhem em suas fraquezas individuais, seu argumento não deve ocultar dois fatos importantes:

  1. Cronologia . Mesmo que a figura mítica de José e a histórica de Imhotep recebam certas características semelhantes, o fato é que Imhotep viveu c. 2660 AC, e o primeiro apenas monoteísta referências a Yahweh não são encontrados historicamente até 6 a 8 séculos AC. Qualquer outra coisa pode ser um debate divertido, mas é realmente um espetáculo secundário a este único fato histórico.
  2. Perdido na tradução . Essas semelhanças são todas baseadas em uma interpretação errônea de um único texto, a Estela da Fome. Por um erro de leitura menor, mas crucial, todo o peso da leitura do texto foi transferido de um sacerdote pertencente ao culto de Imhotep para o próprio Imhotep.

Inconclusões

As pessoas que afirmam que Joseph era Imhotep também não levam em consideração o fato de que foi demonstrado matematicamente que Imhotep era invisível.