Por dentro da vitória arrebatadora de Obama

Figura

Barack Obama conquistou a Casa Branca com a força de uma mudança eleitoral substancial em direção ao Partido Democrata e pela vitória de vários grupos importantes no meio do eleitorado. No geral, 39% dos eleitores eram democratas, enquanto 32% eram republicanos - uma mudança dramática em relação a 2004, quando o eleitorado estava igualmente dividido. A vantagem democrata na identificação do partido no dia da eleição foi significativamente maior do que em qualquer uma das vitórias de Bill Clinton.


Embora os moderados tenham favorecido o candidato democrata em cada uma das últimas cinco eleições, Barack Obama ganhou o apoio de mais eleitores no 'meio' ideológico do que John Kerry ou Al Gore antes dele. Ele ganhou pelo menos metade dos votos de independentes (52% contra 49% para Kerry), eleitores suburbanos (50% contra 47% para Kerry), católicos (54% contra 47% para Kerry) e outros grupos decisivos importantes no eleitorado.

Figura

Sem dúvida, o apoio esmagador dos eleitores mais jovens foi um fator crítico para a vitória de Obama, de acordo com uma análise das pesquisas de votação do National Eleection Pool fornecidas pela National Public Radio. Obama obteve dois terços (66%) dos votos entre os menores de 30 anos. Essa faixa etária era a mais forte de Kerry há quatro anos, mas ele obteve uma maioria muito menor de 54%.

O apoio ampliado de Obama não se estendeu a todas as faixas etárias, no entanto. Em particular, McCain conquistou o apoio de eleitores com 65 anos ou mais por uma margem de 53% para 45%, um pouco maior do que a margem de 52% para 47% de Bush quatro anos atrás. Notavelmente, Al Gore venceu por pouco essa faixa etária em 2000 (50% contra 47% para Bush).

Obama conquistou uma grande maioria entre aqueles com renda anual baixa ou moderada (60% daqueles que ganham menos de US $ 50.000 por ano). No entanto, ele também obteve ganhos notáveis ​​entre os eleitores mais ricos: mais da metade (52%) daqueles com renda anual de US $ 200.000 ou mais favoreceu Obama, enquanto 46% apoiaram McCain. Quatro anos atrás, Kerry conquistou apenas 35% desses eleitores de alta renda.


Obama lutou para ganhar votos hispânicos durante as primárias democratas na Califórnia e em outros estados, mas na terça-feira obteve dois terços (66%) dos votos hispânicos, uma melhora de 13 pontos sobre Kerry em 2004. Ele também ganhou sete pontos entre os afro-americanos eleitores (95% contra 88% para Kerry) e conseguiu melhorar ligeiramente a participação de Kerry no voto branco (43% contra 41% para Kerry).



Figura

No entanto, a pesquisa revelou uma lacuna considerável no apoio a Obama entre os brancos no Sul e os que vivem em outras partes do país. Apenas 31% dos brancos do sul votaram em Obama, enquanto ele conquistou o apoio de cerca de metade dos eleitores brancos que vivem em outras regiões.


Economia era o problema dominante

Como esperado, a economia dominou a agenda dos eleitores neste ano: mais de seis em dez (63%) eleitores, incluindo maiorias comparáveis ​​de apoiadores de Obama (65%) e apoiadores de McCain (60%), citaram a economia como a mais questão importante que o país enfrenta. Questões econômicas e preocupações financeiras pessoais consistentemente cortam a favor de Obama. Entre os que se disseram muito preocupados com as condições econômicas - metade do eleitorado - 59% votaram em Obama; aqueles que expressaram menos preocupação com a economia favoreceram McCain. Um em cada três eleitores disse que está muito preocupado em poder pagar os serviços de saúde de que precisam, e esses eleitores apoiaram Obama por uma margem de 65% a 32%.

A questão tributária foi a peça central do argumento final de McCain: ele argumentou que Obama aumentaria os impostos e redistribuiria a riqueza. Mas a maioria dos eleitores realmente pensou que ambos os candidatos aumentariam seus impostos: 71% disseram que Obama faria isso, enquanto 61% disseram que McCain aumentaria.


Figura

Apesar do forte apelo pessoal de Obama, seus apoiadores dizem que o favoreciam com base em suas posições problemáticas (68%), não em sua liderança e qualidades pessoais (30%). Em contraste, os apoiadores de McCain estavam divididos, com 49% dizendo que sua liderança e qualidades pessoais eram mais importantes para eles, ao invés de suas posições sobre as questões (48%).

Duas questões funcionaram a favor de McCain. Apesar das quedas recentes no preço do gás, a maioria dos eleitores (68%) disse ser a favor da perfuração offshore, onde atualmente não é permitida. McCain venceu por larga margem entre os eleitores que apóiam a perfuração offshore (59% a 39% para Obama). No entanto, sua margem veio daqueles que favorecem fortemente a perfuração; Obama venceu entre os eleitores que apenas um pouco favorecem a perfuração em áreas atualmente protegidas, bem como entre a minoria de eleitores que se opõe a esta proposta.

Os eleitores que classificaram o terrorismo como o principal problema nacional - apenas 9% do eleitorado - favoreceram McCain em mais de seis para um (86% a 13%). Mas o terrorismo perdeu importância desde 2004. Além disso, Obama quase chegou ao mesmo nível de McCain entre os 70% dos eleitores que disseram estar preocupados com outro ataque terrorista aos Estados Unidos; 48% desses eleitores eram a favor de Obama, enquanto 50% apoiavam McCain.

No geral, mais eleitores disseram sentir que Obama tem o julgamento correto para ser um bom presidente (57%) do que disseram o mesmo sobre John McCain (49%). Uma maioria de 57% também disse que Obama está em contato com pessoas como eles, enquanto apenas 39% disseram isso sobre McCain. Mesmo sua experiência não ofereceu a McCain uma grande vantagem: enquanto 59% disseram que McCain tem a experiência certa para ser presidente, 51% disseram o mesmo sobre Obama.


Além disso, McCain não escapou totalmente da sombra de George W. Bush. 71% dos eleitores disseram que desaprovam o trabalho de George W. Bush como presidente, e 48% dos eleitores acham que, se McCain for eleito, ele continuará principalmente com as políticas de Bush. Entre os eleitores que disseram que McCain daria continuidade às políticas de Bush, a grande maioria (90%) é a favor de Obama.

O impacto de Sarah Palin na sorte de McCain será, sem dúvida, debatido por muito tempo, e os resultados das pesquisas de opinião são um tanto mistos. 60% dos americanos votantes disseram que Palin não está qualificado para ser presidente, caso seja necessário; 81% desses eleitores são a favor de Obama. Mesmo assim, aqueles que citaram a escolha de Palin como um fator em seu voto - 60% de todos os eleitores - favoreceram McCain por 56% a 43%.

Enquanto os partidários de Obama expressaram preocupação com o impacto de sua corrida nas eleições, a pesquisa sugere que, se alguma coisa, o fator raça favoreceu Obama. Apenas uma pequena parcela dos eleitores brancos (7%) disse que a raça era importante para seu voto, e votaram esmagadoramente em McCain (66% a 33%). Mas seu impacto foi ofuscado pela proporção muito maior de brancos que disseram que a raça não era importante (92%).

Ao mesmo tempo, há poucas dúvidas de que a corrida de Obama foi um fator para trazer às urnas um grande número de novos eleitores afro-americanos. Os negros representaram uma parcela maior do eleitorado em 2008 (13%) do que em 2004 (11%) ou 2000 (10%), e apoiaram Obama em taxas mais altas do que Kerry ou Gore.

Olhando para o futuro, a maioria dos eleitores está otimista com a presidência de Obama. A maioria dos eleitores (54%) se descreveu como “empolgada” ou “otimista” com a possibilidade de Obama servir como presidente. O dobro de apoiadores de Obama (56%) do que de McCain (28%) ficaram entusiasmados com a perspectiva de vitória de seu candidato.

Quase dois terços dos eleitores (64%) disseram que McCain atacou Obama injustamente durante a campanha, em comparação com 49% que disseram que Obama atacou McCain injustamente. Esses ataques evidentemente não levantaram preocupações generalizadas sobre a ascensão de Obama ao cargo mais alto do país. No geral, 24% dos eleitores disseram que a ideia da vitória de Obama os “assustou”, enquanto 28% disseram o mesmo sobre a vitória de McCain.

Cerca de um em cada três eleitores (32%) disse ter recebido ligações ou visitas em nome de um ou mais dos candidatos presidenciais, e o amplo alcance da campanha de Obama é aparente nos dados da pesquisa eleitoral. Em todo o país, 26% disseram que foram contatados em nome de Obama, em comparação com 19% em nome de McCain. Um terço dos apoiadores de Obama relatou ter sido contatado pela campanha, enquanto a divulgação de McCain contatou 24% dos que votaram nele.