Como referimos em artigos anteriores, a conjugação de ventos fortes, ar seco e temperaturas relativamente altas, está a contribuir para que o risco de incêndio seja elevado, tal como o risco potencial a nível da propagação dos Incêndios.

Estas condições meteorológicas deverão persistir por mais alguns dias.

Será isto um novo normal, causado pelas mudanças climáticas?

Nós não concordamos plenamente com esta premissa.
Primeiro, muitas das ignições são de causa humana ( Não vamos discutir aqui se são ou não propositados, se há ou não interesses escondidos… ), e a frequência de ignições resultantes das atividades humanas não está diretamente ligada ás mudanças no clima.
O que sim está intimamente ligado ás mudanças no clima são os desfechos dessas ignições, ou seja, se estas ignições resultam ou não em incêndios e a severidade desses incêndios.
Ai sim há uma correlação direta com as condições meteo/climáticas.

No entanto, a tendência de modificação do clima nas últimas décadas aponta para uma evolução no sentido de termos Invernos mais secos, e em geral temperaturas mais altas… isto leva a dois efeitos que são algo contrastantes.

Invernos mais secos, com menos água, limitam o crescimento da vegetação…. pelo que em teoria haverá menos “alimento” para os incêndios…no entanto na Primavera e Outono até temos um sinal oposto, com algum aumento da precipitação, pelo que esta hipótese de redução do crescimento da vegetação pode não ser totalmente válida excepto durante os anos de seca mais prolongada.

Por outro lado, com esta mesma mudança no regime da precipitação, teremos mais dias de tempo seco ao longo do ano e precipitação mais torrencial e fora do período de Inverno ( mesmo com aumentos na Primavera e Outono).
Isto poderá aumentar a janela de oportunidade de ocorrência de incêndios durante os episódios de tempo seco que se intercalam entre os períodos mais chuvosos.

É portanto complicado definir o que se vai passar no futuro com os incêndios, e há muita gente neste momento a estudar o tema de forma a perceber melhor como é que vão evoluir estas condições no futuro.

O que sabemos com alguma confiança é que a janela de ocorrência potencial dos incêndios vai aumentar, e temos portanto de desenvolver meios de prevenção e de ataque aos incêndios que estejam preparados para estar ativos durante mais meses do ano, assim como também temos de re-educar as populações para que estas tomem consciência de que os incêndios já não são apenas um tema de Verão, mas sim algo que pode ocorrer durante todo o ano, nomeadamente quando as condições são propicias.
É neste campo que temos de nos empenhar, como meteorologistas, para tentar prever com o maior rigor possível as situações de risco de incêndio.