• Principal
  • Notícia
  • Nos EUA e no Reino Unido, a globalização deixa alguns sentimentos 'deixados para trás' ou 'varridos'

Nos EUA e no Reino Unido, a globalização deixa alguns sentimentos 'deixados para trás' ou 'varridos'


Nos EUA e no Reino Unido, a globalização deixa alguns sentimentos 'deixados para trás' ou 'varridos'

Os grupos focais revelam o grau em que americanos e britânicos veem desafios comuns à identidade local e nacional

POR LAURA SILVER, SHANNON SCHUMACHER E MARA MORDECAI

5 de outubro de 2020

Em 2016, americanos e britânicos participaram de votos divisivos, em parte devido a questões de imigração e envolvimento global. Nos Estados Unidos, os eleitores votaram em uma eleição presidencial vencida por Donald Trump e sua visão de 'América primeiro'. Do outro lado do Atlântico, 'deixar' os eleitores em menor número que 'permanecer' eleitores em um referendo nacional sobre a continuidade da adesão à União Europeia, emoldurado pelo slogan 'Retire o controle'. As tentativas de explicar os resultados da pesquisa dupla se concentraram nas pessoas que se sentiram deixadas para trás e que votaram contra a maré aparentemente inexorável de crescente interdependência econômica, diversidade cultural e conectividade social que define um mundo globalizado. Mas as comparações diretas e sistemáticas dos dois países são raras.

O Pew Research Center realizou grupos de foco nos Estados Unidos e no Reino Unido em 2019 - antes da eclosão do COVID-19 - para entender melhor o grau em que narrativas semelhantes sobre globalização e seus impactos são evidentes em cada país - e se essas narrativas variam por geografia, filiação política ou outros fatores em cada país.

O Pew Research Center tem estudado questões de identidade nacional e globalização há algum tempo, mas este projeto é a primeira incursão do Centro em explorar o tópico usando dados comparativos de grupos de foco internacionais. Conduzimos 26 grupos de foco de 19 de agosto a 20 de novembro de 2019, em cidades dos EUA e do Reino Unido, agrupados por atributos políticos e geográficos, conforme descrito abaixo na tabela (para mais informações, consulte a metodologia). Todos os grupos foram questionados sobre suas comunidades locais, identidades nacionais e globalização por um moderador treinado. As perguntas foram baseadas em um guia de discussão desenvolvido pelo Pew Research Center.


Para analisar os dados coletados dessas discussões, os pesquisadores revisaram as transcrições do grupo de foco e consolidaram os sentimentos em 'exibições de dados'. Isso exibe as respostas resumidas dos participantes às perguntas do moderador e inclui esquemas de codificação para destacar os principais temas e pontos de interesse da conversa, bem como a dinâmica da discussão. Os pesquisadores analisaram os dados codificados, concentrando-se em como as opiniões variavam entre os grupos, o que serviu como a unidade primária de análise. Foi tomado um cuidado especial para garantir que os pontos de vista expressos neste relatório capturassem com precisão a gama de opiniões expressas, enfatizando não apenas a opinião da maioria, mas também as opiniões minoritárias e divergentes.



A análise apresentada neste relatório é um indicativo das principais narrativas e quadros de referência que influenciam a forma como as pessoas percebem e entendem questões importantes. Os resultados não são estatisticamente representativos e não podem ser extrapolados para populações mais amplas. Da mesma forma, embora frequentemente nos referamos a grupos de participantes como 'grupos democráticos' ou 'que abandonaram', esses descritores são uma abreviatura, com base no projeto de pesquisa ou nos momentos da conversa do grupo focal. Dependendo do tópico, a idade, sexo, cidade, situação de emprego ou outros fatores de um participante podem ter sido igualmente relevantes para suas opiniões e visões sobre a globalização.


Os grupos de foco confirmam que a história de ser 'deixado para trás' continua sendo comum tanto nos EUA quanto no Reino Unido. Os participantes destacaram as formas como as forças da globalização os deixaram sem rumo, fechando indústrias, levando as pessoas a abandonarem suas casas e prejudicando-as economicamente. Mas as conversas em grupo também revelam uma narrativa de ser 'arrastado' pela globalização. Aqueles que são varridos experimentam deslocamento devido à atenção excessiva das forças globais - o investimento e a criação de novos empregos substituem o trabalho tradicional, aumentam os preços dos imóveis e deslocam algumas pessoas de suas casas e comunidades. As histórias de ser deixado para trás e arrastado levam a sentimentos de alienação e perda.

Atitudes em relação à globalização moldadas menos pela mudança local, mais pelo contexto nacional

Clique para mais informações


Na academia, isso é conhecido como uma atitude 'sociotrópica'. Os acadêmicos encontraram relações semelhantes ao examinar atitudes comerciais ou atitudes em relação à imigração. Por exemplo, quando se trata de comércio, os estudiosos argumentam que as atitudes das pessoas em relação ao comércio internacional baseiam-se menos em seus próprios interesses materiais do que nas percepções de como a economia dos EUA como um todo é afetada pelo comércio. Da mesma forma, quando se trata de imigração, a pesquisa sugere que as opiniões das pessoas são moldadas por suas preocupações sobre os impactos culturais nacionais da imigração, mais do que por suas experiências econômicas pessoais.

Visto que as pessoas podem se sentir deslocadas, quer sejam deixadas para trás ou varridas, o que separa aqueles que veem a globalização de forma negativa daqueles que a veem positivamente é como eles percebem as mudanças em seu país, e não em sua vizinhança. Aqueles que estão mais enraizados localmente ou nacionalmente tendem a ver a globalização quebrando a comunidade nacional e mudando o que significa ser parte do estado-nação de maneiras que consideram desafeitadoras. Em contraste, aqueles que abraçam a globalização tendem a se concentrar nas maneiras pelas quais a própria globalização pode criar uma comunidade - promovendo novas conexões ao quebrar as fronteiras entre as pessoas para fomentar a cooperação e o entendimento internacionais.

Na seção a seguir, descrevemos como os participantes dos grupos de foco definiram e descreveram a globalização. Em seguida, veremos como a globalização impactou as comunidades locais dos participantes e criou um sentimento de perda, tanto para aqueles que foram deixados para trás quanto para aqueles que são arrastados pela globalização. Em seguida, veremos como as pessoas vêem a globalização mudando o que significa ser britânico ou americano e como aqueles que são mais orientados globalmente e aqueles que têm raízes mais nacionais expressam sentimentos de alienação em seu país. Finalmente, examinamos as atitudes dos participantes em relação à globalização em nível internacional, concluindo que alguns veem a interconectividade global como uma oportunidade para cooperação, enquanto outros a veem como um campo de batalha para a competição. Ao longo do ensaio, há citações que representam uma gama de pontos de vista dos participantes, alguns dos quais foram editados para gramática, ortografia e clareza.

Principais descobertas e roteiropara o ensaio

Definindo globalização


O termo 'globalização' foi difícil para os participantes definirem, mas não foi difícil de descrever.

O contexto local

Quer os grupos achassem que suas comunidades eram 'vencedores' da globalização que experimentaram a criação de empregos em suas cidades ou 'perdedores' que sentiram o declínio da indústria, as pessoas se concentraram na mudança do caráter de suas comunidades, no aumento da transitoriedade e na diminuição das oportunidades. Os que foram 'deixados para trás' pela globalização e os que foram 'varridos' muitas vezes experimentaram sentimentos semelhantes de perda e atribuíram a culpa às corporações multinacionais.

A situação nacional

As pessoas no Reino Unido e nos EUA sentiram que o que significa ser britânico ou americano, respectivamente, está mudando. Os participantes mais voltados para o interior focaram em como o multiculturalismo estava 'diluindo' o caráter nacional dominante. Pessoas que eram mais globalmente focadas em como o Brexit e as eleições de 2016 os deixaram com a sensação de que seu país não é mais multicultural, aceitando o lugar que eles prezavam que fosse. Por razões distintas, os participantes destacaram sua alienação e confusão sobre o que significa fazer parte de suas nações hoje.

Globalização

Os participantes menos abertos à globalização tendem a ver a esfera internacional pelas lentes do Estado-nação e como competição, expressando a necessidade de se destacar, independentemente da interferência de organismos internacionais.

Os participantes que são a favor da globalização vêem as maneiras pelas quais a comunidade pode existir internacionalmente, separada e à parte das fronteiras nacionais.

Conclusão

Independentemente de seu conforto com a globalização, os participantes destacaram sua inevitabilidade.

Globalização: você sabe quando vê

A pergunta 'O que é globalização'? não foi fácil para os participantes do grupo focal responder. As definições foram abrangentes, abordando mudanças econômicas como a influência crescente das corporações multinacionais e o papel do comércio internacional; organizações internacionais como as Nações Unidas; imigração e movimento de pessoas; e conceitos amorfos como a troca de ideias e culturas. Como uma indicação adicional de como os participantes foram desafiados pela tarefa de definir a globalização, alguns ofereceram uma resposta, apenas para buscar apressadamente a confirmação do moderador de que sua resposta estava 'correta'.

Os participantes do grupo focal acharam mais fácil ilustrar do que definir globalização

Embora os participantes muitas vezes não tivessem certeza de como definir a globalização, surgiram temas-chave. Eles se concentravam na economia e no comércio, no equilíbrio global de poder, na imigração e no intercâmbio cultural, no avanço tecnológico e na comunidade.

E, ao contrário das definições técnicas, os participantes acharam relativamente fácil compartilhar ilustrações da globalização. Eles trouxeram à tona os impactos da globalização em suas vidas diárias, como as experiências de ligar para o atendimento ao cliente e chegar a um call center em outro país. As pessoas elogiavam a capacidade de solicitar mercadorias do outro lado do mundo na Amazon e recebê-las no dia seguinte. Outros mencionaram como a imigração mudou a estrutura de seu país para melhor ou pior, ou como a abertura a idéias e costumes estrangeiros estava mudando a cultura de seu país - novamente, para melhor e pior.

Globalização e mudança em nível local:
Deixado para trás ou varrido, o sentimento de perda permeia

Ao descrever as principais mudanças em suas comunidades locais, os participantes nem sempre invocaram a 'globalização'. No entanto, suas histórias costumam ser vinculadas a ilustrações mais amplas do que constitui a globalização. Isso foi particularmente verdadeiro quando os participantes falaram sobre mudanças devido a mudanças industriais, automação e a crescente influência de corporações multinacionais. Todos os três foram consistentemente descritos como tendo um impacto negativo nas comunidades locais - em contraste com a crescente diversidade cultural ou tecnologia de comunicação aprimorada, que às vezes eram vistas de forma favorável.

Quem fica para trás?
Quem é varrido?

Clique para mais informações

Embora acadêmicos e jornalistas tenham usado amplamente o termo 'deixado para trás', os próprios participantes raramente o usavam. Aqui, usamos o termo 'deixado para trás' para discutir pessoas que sofreram perdas como o fechamento de fábricas, instituições e lojas locais ou a perda de empregos e oportunidades.

Também usamos o termo 'varrido' para discutir pessoas que experimentaram perdas associadas ao crescimento, como aumento do custo de vida e cidades cada vez mais populosas.

Alguns participantes descreveram elementos de ambos os fenômenos. Por exemplo, em Londres, onde os participantes reclamaram de moradias cada vez mais caras e do desenvolvimento constante, os participantes também lamentaram a perda de pubs locais e o declínio das ruas principais.

A mudança industrial, a automação e a influência das multinacionais foram os principais catalisadores nas histórias de coisas deixadas para trás pela globalização. Ser deixado para trás costumava ser considerado perda de empregos e negócios fechados. Dependendo do local, os participantes descreveram perdas de empregos específicas do setor ou gerais. Os participantes do grupo de foco em Pittsburgh e Newcastle ficaram particularmente animados por histórias de como foram deixados para trás, descrevendo como eles ou pessoas que conheciam perderam empregos em minas de carvão, siderúrgicas e outras instalações industriais.

Nessas cidades e em outros lugares, os participantes apontaram para os efeitos colaterais da perda de empregos - desde as lojas locais sendo incapazes de permanecer lucrativas até bairros se tornando menos prósperos e mais perigosos, exacerbados pelo início do crime e do uso de drogas que acompanharam o declínio material das pessoas . As pessoas que se sentiram deixadas para trás também notaram o impacto do declínio econômico nos laços sociais locais. Os participantes relacionaram as taxas decrescentes de propriedade com o número crescente de locatários 'temporários' e relacionamentos menos significativos com os vizinhos.

Uma fábrica de têxteis abandonada em Newcastle. (Photofusion / Crispin Hughes / Universal Images Group via Getty Images)

O que é uma rua principal?

Clique para mais informações

No Reino Unido, uma 'rua principal' é definida pelo Office of National Statistics como 'um agrupamento de 15 ou mais endereços de varejo em 150 metros'. Mas os participantes dos grupos focais usaram o termo coloquialmente, da mesma forma que os americanos descreveriam uma 'rua principal' em uma cidade. O termo evocou o centro da vida e atividade comercial.

A perda do emprego às vezes era descrita como quase uma armadilha. Os participantes em Newcastle destacaram como sua área simplesmente recebe menos em termos de treinamento profissional, educação e oportunidades de emprego agora do que antes, tornando a recuperação da perda de emprego mais difícil de suportar. O mesmo aconteceu em Pittsburgh, onde uma mulher observou que 'o mercado está mudando (e) as pessoas que já estão aqui ... não estão mais se beneficiando com isso'. Outro homem comentou sobre como Pittsburgh costumava ser uma cidade operária, mas isso não parece mais verdade.

Para alguns, essas mudanças percebidas e a perda de empregos ou oportunidades em sua cidade foram recebidas com grande tristeza, enquanto outros responderam com uma atitude mais prática e pareceram aceitar essas mudanças como um fato inevitável da vida. Por exemplo, um homem em Newcastle enquadrou a perda desses empregos simplesmente como resultado de mudanças no mercado de trabalho, dizendo: 'As tendências de empregos estão mudando - a indústria pesada não está mais aqui e estamos conseguindo mais escritórios.… Pessoas estão vindo de diferentes partes do país, diferentes partes da área '.

Em todo o Reino Unido, os participantes lamentaram o declínio das ruas comerciais - usadas coloquialmente da mesma forma que os americanos descrevem uma 'rua principal', mas formalmente definida pelo Escritório Nacional de Estatísticas do Reino Unido como 'um aglomerado de 15 ou mais endereços de varejo em 150 metros'. Eles descreveram o fechamento de empresas independentes em sua área e o aumento da presença de lojas de caridade, ou brechós e redes.

O crescimento do negócio de varejo foi menor nas ruas do que em outras áreas

Dados do UK Office of National Statistics indicam que, entre 2012 e 2017, todas as regiões nas quais os grupos de foco ocorreram experimentaram um crescimento negativo ou estagnado no varejo de rua.1Mas, ao contabilizar serviços de alimentação, acomodações e outros setores além do varejo, todas as quatro regiões experimentaramcrescimentodurante esse período, tanto na rua comercial quanto em outros lugares, sugerindo que as percepções de declínio podem ser fortemente influenciadas pelo varejo, em particular.

Olhando para o emprego, surge uma tendência semelhante. Em muitas das cidades onde os grupos foram conduzidos, os participantes expressaram preocupação de que o declínio das ruas principais significava oportunidades de emprego limitadas. No entanto, nas regiões onde os grupos ocorreram, o emprego nas ruas na verdadecresceuao contabilizar setores além do varejo, mesmo enquanto o emprego nas ruas principais no varejo caiu em todas as regiões, exceto Londres. E embora Londres tenha visto um crescimento no emprego no varejo nas ruas principais, foi praticamente igual ao crescimento da população da cidade, que também ficou em 6% entre 2012 e 2017.

O emprego no varejo foi menor nas ruas do que em outras áreas em todas as regiões
Os participantes do grupo de foco do Reino Unido sentem o impacto do declínio das

Os fechamentos e mudanças que as pessoas descreveram se estenderam desde o local de trabalho até a 'rua principal' no Reino Unido, e o tom costumava ser de profunda perda. Em todas as quatro cidades do Reino Unido onde os grupos de foco foram realizados, as pessoas notaram o fechamento de empresas independentes nas ruas principais, destacando como essas mudanças as deixaram se sentindo como se o epicentro anterior de sua comunidade não fosse mais o centro movimentado do comércio.

Freqüentemente, a culpa é da globalização. Por exemplo, uma mulher em Newcastle destacou como globalização significa 'pequenas empresas ... fecham as portas por causa (da) concorrência de ... empresas mundiais'. Os participantes também destacaram como essas mudanças impactam negativamente as perspectivas de emprego dos jovens, porque com o fechamento de lojas, há menos oportunidades de emprego.

Também havia uma sensação de que o declínio dessas ruas principais estava afetando a vida diária e as rotinas dos indivíduos, com uma mulher em Newcastle dizendo que, nos velhos tempos, você podia conseguir tudo que precisava na estrada principal, mas agora 'está se degenerando, é um buraco '. Os participantes descreveram como o declínio comercial foi desigual, observando shoppings e parques de varejo recebendo grandes quantidades de investimento enquanto lojas familiares nas ruas principais foram abandonadas.

'Oportunidades (são) sobre carreiras, e você olha para a rua comercial média agora e como isso mudou em 20 anos ... este é um mundo completamente diferente para as pessoas conseguirem empregos '.

HOMEM, 38, BIRMINGHAM

O desaparecimento das ruas principais também se estendeu às preocupações sobre a erosão do caráter e charme local de cada cidade. No Reino Unido, particularmente entre os Leavers, a homogeneização foi um foco, com os participantes definindo a globalização como o 'colapso da individualidade' e 'em todos os lugares sendo o mesmo'. Mais uma vez, a culpa por essa homogeneização percebida foi colocada nas corporações multinacionais. Um homem de Londres o descreveu vigorosamente como 'Starbucks (e) McDonald's (fazendo com que todas as ruas principais () pareçam iguais'.

Compradores de férias na Oxford Street, em Londres. (Dan Kitwood / Getty Images)

Além do declínio das ruas principais, os participantes no Reino Unido lamentaram o fechamento de pubs e clubes juvenis locais. Esses lugares eram vistos como instituições fundamentais para a construção da comunidade, e sua perda foi vista como um toque de morte para a coesão social em sua área, inaugurada pelas mudanças nos negócios e na indústria. Os grupos descreveram os pubs locais como espaços de encontro para os membros da comunidade construirem relacionamentos e se conhecerem, discutindo como seu fechamento significava que as pessoas não se vinculavam mais. Os clubes juvenis também eram vistos como pilares das comunidades, e grupos sugeriram que sua morte empurrou os jovens para as ruas para causar danos e se envolver em atividades criminosas.

'Eles estão colocando muito dinheiro (no varejo), mas (na) rua, tudo está fechando ...'

'Isso mesmo, sim, a menos que seja uma loja de caridade (brechó) ou um café ...'

'Ou a Gregg’s (uma importante rede de padarias do Reino Unido').

Troca entre mulheres, 32; homem, 52; e homem, 34, todos de Birmingham

Nos EUA, tropos semelhantes surgiram. As pessoas se concentraram em como as oportunidades de emprego eram limitadas, a concorrência desleal entre pequenas empresas e cadeias de lojas de varejo e as grandes empresas que ameaçavam o caráter de sua vizinhança. Mas nos EUA, essas reclamações se concentraram menos em distritos comerciais específicos - como uma rua principal - e se estendeu à comunidade de forma mais ampla.

Um sem-teto carrega seu saco de dormir pelo icônico Edifício Selfridges em Birmingham em 2017. (Mike Kemp / In Pictures via Getty Images)

Embora o tema geral do declínio fosse comum entre os dois países, uma narrativa alternativa de ser varrido por correntes globais de mudança também emergiu. Essa sensação era palpável em vários grupos de foco em Seattle. Todos os grupos concordaram que os investimentos locais de empresas multinacionais como Amazon, Microsoft, Boeing e Starbucks levaram a um grande afluxo de pessoas e dinheiro, o que pressionou o custo de vida na cidade.

Grupos de foco de Seattle compostos por asiático-americanos, habitantes das ilhas do Pacífico e democratas brancos compartilharam histórias sobre bairros gentrificados, destacando como a habitação se tornou menos acessível e como o crescimento da cidade corroeu sua cultura e caráter. Grupos compostos por democratas brancos e independentes brancos focaram no aumento da falta de moradia devido ao aumento do custo da habitação. Em grupos formados por independentes brancos e republicanos, as pessoas destacaram como o crescimento da cidade sobrecarregou os serviços públicos e como os governos locais não lidaram de forma adequada com o influxo de pessoas e dinheiro na cidade.

Nos grupos de discussão dos EUA e do Reino Unido, aqueles que foram

Do outro lado do Atlântico, a narrativa de ser varrido pela globalização era mais evidente entre os grupos de foco em Londres. Os participantes observaram como a posição da cidade como um centro internacional, ou 'ímã', afeta a vida diária dos londrinos. Exemplos de impactos negativos incluem aumentos no tráfego, crime e custos de habitação, além de construção constante. Alguns mencionaram que, paradoxalmente, todo esse crescimento na verdade significava menos empregos e oportunidades de moradia para os residentes locais. Uma mulher, por exemplo, criticou os 'investidores estrangeiros' que buscam lucrar com a escassez de moradias na cidade com a construção de apartamentos de luxo que ficam vagos quando a cidade precisa de moradias populares.

Embora tenham vivenciado a globalização de maneira diferente, os grupos que se sentiram varridos apontaram para alguns dos mesmos resultados daqueles que ficaram para trás, como o aumento do custo da habitação, o declínio da posse de casa própria e a desintegração dos laços sociais e da comunidade. Histórias semelhantes também surgiram com relação ao aumento de moradores de rua, abuso de drogas e crime.

Tanto os que foram varridos quanto os que ficaram para trás viram outros se beneficiando das próprias forças da globalização que consideraram tão perturbadoras e desorientadoras. Quando questionados para dizer mais sobre quem ou o que se beneficiou da globalização, os participantes americanos regularmente sugeriam que eram 'os ricos', 'os 1'% ou 'pessoas poderosas'. Da mesma forma, os participantes no Reino Unido descreveram os beneficiários como 'colarinhos-brancos', incluindo proprietários de empresas, chefes de empresas e, geralmente, aqueles em posições de poder.

A percepção da globalização criando 'vencedores' e 'perdedores' foi baseada em histórias locais. Em Seattle, Houston e Londres, os residentes locais que trabalharam em setores como tecnologia e saúde foram vistos como mais capazes de ganhar bons salários e acompanhar o aumento do custo de vida. Em contraste, pessoas em outros setores foram descritas como ganhando salários baixos e lutando para alcançar estabilidade financeira.

Distrito financeiro central de Londres ao anoitecer. (xavierarnau via Getty Images)

Tanto os que se sentiram varridos quanto os que ficaram para trás concordaram que os ricos eram amplamente imunes aos efeitos da globalização. Em Londres, um eleitor conservador de 26 anos de idade observou que os ricos 'não sentem necessariamente o impacto desse boom populacional' em sua cidade porque não precisam ir a escolas superlotadas e geralmente não dependem de os serviços públicos como habitação social, saúde e outras provisões públicas que foram sobrecarregadas no Reino Unido.

Quer se sentindo varridos ou deixados para trás, os participantes do grupo de foco nos EUA e no Reino Unido pontuaram suas histórias sobre a mudança local com um profundo sentimento de perda - perda de segurança financeira, perda de oportunidades de emprego, perda de solidariedade social. E embora os participantes possam não ter usado frequentemente o termo preciso 'globalização', eles colocaram a culpa por suas perdas nos pés dos atores globais, especialmente corporações multinacionais.

Entre tolerância e tradição:
Globalização, mudança de cultura e identidade nacional

Ao contrário da imagem consistente do impacto negativo da globalização nas comunidades locais, os participantes do grupo de foco nos EUA e no Reino Unido diferiam sobre se a globalização era uma bênção ou uma maldição para seus respectivos países. No entanto, mesmo aqueles que, por uma questão de princípio, acolheram a imigração e a diversidade cultural acabaram por admitir que se sentem deslocados em seu próprio país. Mas, no caso deles, tendia a estar relacionado a preocupações sobre as forças que eles consideravam 'anti-globais' em seu país - pessoas que insistiam em agendas protecionistas ou excludentes sob os estandartes 'América primeiro' e 'Retire o controle'. Ironicamente, as narrativas positivas e negativas do impacto da globalização em nível nacional deixaram os participantes sentindo-se alienados e à deriva.

Um restaurante chinês em Newcastle abre para clientes em 2017. (Ian Forsyth / Getty Images)

Os participantes veem e sentem a globalização mudando o que significa ser britânico ou americano devido ao fluxo de pessoas, culturas e ideias. Independentemente da orientação política, a maioria dos grupos de foco começou sua discussão sobre o que significa ser britânico ou americano enfatizando o multiculturalismo e a tolerância. Eles também destacaram de forma esmagadora os benefícios da globalização em termos da diversidade de opções disponíveis em seu país: bens disponíveis, cozinhas, ofertas culturais e assim por diante. Até mesmo um homem que votou 'deixar' e destacou sua desaprovação geral da imigração notou que ele 'gosta de (seus) caril', referindo-se às abundantes ofertas de alimentos indianos e paquistaneses em sua comunidade.

“Você pode comer pho ... no café da manhã. Você pode ter algumas pupusas mais tarde. Você pode comer alguns tacos mais tarde. Você pode fazer churrasco. Você poderia ter lagostim. ... A música ... você pode experimentar diferentes culturas ... quero dizer, você não pode superar isso '.

HOMEM, 21, HOUSTON

Grupos focais nos EUA e no Reino Unido: quadros comuns para falar sobre identidade nacional

Mas, particularmente para aqueles em grupos compostos por eleitores de 'licença' e republicanos, os limites desse conforto com a globalização e o multiculturalismo surgiram quando houve uma sensação correspondente de que essas culturas estavam mudando a cultura britânica ou americana, ou imigrantes e estrangeiros estavam se beneficiando no despesa dos habitantes locais. No Reino Unido, uma mulher mais velha de Birmingham resumiu a sensação de que a cultura nacional está mudando, declarando: '(Nosso) britanismo está sendo diluído por causa de todas as outras culturas que vêm aqui. ... Se houvesse uma proporção justa de pessoas que o país aguentou e não estava drenando todos os nossos recursos, então está tudo bem ... Eu acho que é bom conhecer outras culturas e compartilhar ... mas agora é como se aquela mistura tivesse tirado o britanismo '.

Aqueles que se sentiam menos confortáveis ​​com a imigração tendiam a expressar seu desconforto em discussões sobre 'valores' ou estratégias parentais diferentes. Por exemplo, as pessoas destacaram o desejo de estar perto de pessoas que paguem sua parte justa e sejam moralmente honestas, qualidades que muitas vezes atribuíam a si mesmas enquanto se contrastavam com pessoas de outras culturas.

Apoiadores do Brexit comemoram na Praça do Parlamento em Londres quando o Reino Unido deixa formalmente a União Europeia em 31 de janeiro de 2020. (Jeff J Mitchell / Getty Images)

Uma mulher em Birmingham disse que achava que o povo paquistanês era muito diferente dos outros britânicos porque 'comem com as mãos' e sugeriu que os imigrantes não acreditam nos valores britânicos, então deveriam 'voltar para casa'. Em alguns grupos de 'licença' no Reino Unido, quando solicitados, os participantes disseram explicitamente que queriam viver em áreas predominantemente brancas do Reino Unido, alegando que as pessoas de outras culturas não podiam atender aos seus padrões de moralidade e que as pessoas naturalmente preferiam bairros segregados.

As pessoas também destacaram a forma como a imigração pode ser alienante, mudando a sensação de ser 'britânico' em público. Por exemplo, uma mulher branca mais velha que votou na 'saída' em Londres disse que achava 'horrível' entrar no metrô e ouvir pessoas falando uma miríade de línguas, descrevendo-o como um 'ambiente muito hostil' para ela. Em Birmingham, outra mulher que votou em licença contou uma longa história sobre sua experiência de dar à luz em um hospital e não ter parteiras que falassem inglês, o que a fez sentir-se como uma minoria e a fez se sentir insegura e negligenciada.

“Podemos negociar entre países; a loja na minha rua é principalmente polonesa, mas também vende coisas da Espanha e Chipre, e às vezes é bom ir lá e comprar comida de outro país que você não necessariamente conseguiria em outro lugar. ”

Mulher, 32, Birmingham

Grupos ideologicamente inclinados à direita enfatizaram especialmente que a cultura tradicional - que alguns igualaram ao cristianismo - foi relegada ao status de segunda classe no país. As pessoas destacaram a percepção de padrões duplos, como escolas que acomodam outras religiões - ensinando sobre Diwali ou proibindo rolos de salsicha - mas forçando as comemorações anuais do feriado de inverno a serem apenas isso, e não festas de Natal.

Uma bandeira da Cruz de São Jorge está hasteada no nº 10 de Downing St. em Londres em julho de 2018. Alguns participantes do grupo de foco identificaram a bandeira com o orgulho inglês, enquanto outros a viram como um símbolo de racismo e nacionalismo excludente de direita. (Steve Back / Getty Images)

No contexto do local de trabalho, um homem idoso em Birmingham sugeriu que teria dificuldade em conseguir tempo livre para ir a um batizado, mas que há salas de oração para os muçulmanos fazerem intervalos regulares. Outras práticas culturais, como voar na Cruz de São Jorge para expressar a identidade inglesa, foram vistas como impossíveis por medo de ofender outras pessoas, ou pior, por medo de ser rotulado de racista por outras pessoas na comunidade.

Os grupos focais revelam os motivos pelos quais alguns americanos e britânicos se sentem ameaçados pela diversidade cultural

Nos EUA, também, os participantes destacaram os momentos em que as acomodações para imigrantes ou supostos estrangeiros limitavam as opções para pessoas vistas como nativas merecedoras. Por exemplo, em Houston, os participantes do grupo republicano recusaram o número de empregos em sua área que exigem candidatos bilíngues, dizendo que isso é uma vantagem injusta para os hispânicos em busca de emprego. Alguns sentiram que isso era parte de uma tendência mais ampla de colocar os brancos americanos em desvantagem e destacaram as maneiras pelas quais a restrição da imigração poderia levar a mais recursos para os 'locais'. Um homem em Seattle exemplificou esse sentimento, dizendo: 'Os imigrantes têm mais direitos do que nós' e recebem mais benefícios. Ele acrescentou que 'se ressente de (seus) dólares de impostos pagando por alguém que não está alimentando o sistema tributário, sejam eles americanos ou ilegais'. Em outros casos, os imigrantes, por sua mera presença, eram vistos como uma desvalorização das casas, uma vez que, de acordo com uma mulher em Pittsburgh, eles têm 'oito famílias (vivendo) em uma casa'.

Um pôster na lateral de uma marina em North Myrtle Beach, Carolina do Sul, em setembro de 2018. (Leila Macor / AFP via Getty Images)

'Acho que a lista britânica que eu pensei era ... projeto nacional frouxo de fazer uma nação multicultural, próspera, liberal e forte, que tem um peso muito maior no cenário internacional ... mas está parecendo um pouco instável agora, um pouco vacilante, porque não sabemos mais quem somos. Eu não, nunca me senti menos britânico. Sempre tive uma forte identidade britânica ... E (agora) tudo o que quero fazer é fugir, quero sair daqui. Eu não quero fazer parte disso. Parece caótico '.

homem, 53, Londres

Essa sensação de que o que significa ser americano ou britânico está mudando hoje - e a correspondente alienação e perda - não foi sentida apenas pelos participantes do grupo de foco que se opunham à interconectividade global e ao multiculturalismo. Para aqueles que apoiavam a integração de seu estado-nação na comunidade global, a votação do Brexit no Reino Unido e a eleição presidencial de 2016 nos Estados Unidos apresentaram sentimentos semelhantes de perda e alienação na sociedade, bem como uma mudança no sentido do que isso significa ser britânico ou americano hoje. Embora as duas eleições não tenham se concentrado exclusivamente nesses temas, os dois eventos se concentraram, pelo menos em parte, em questões inerentemente internacionais: como controlar a imigração, como proteger as fronteiras, como participar de organizações internacionais e se buscar 'a América primeiro' políticas ou para 'retomar o controlo' da UE.

Enquanto alguns participantes do grupo de foco podem ter se sentido alienados por causa da percepção de que a imigração está mudando sua cultura, por outro lado, aqueles que querem que seu país faça parte da UE ou permaneçam envolvidos na comunidade internacional e recebam imigrantes se sentem insatisfeitos por causa de como esses eventos mudaram a maneira como eles vêem seu estado-nação e seu lugar nele.

Manifestantes em frente ao Centro de Convenções George R. Brown de Houston denunciam a proibição declarada do presidente Donald Trump aos muçulmanos logo após sua posse, em janeiro de 2017.

No Reino Unido, por exemplo, o referendo do Brexit foi regularmente apresentado como um momento profundamente alienante, expondo as pessoas a um lado da Grã-Bretanha que elas não tinham visto antes e destacando as divisões políticas no país. Especialmente para as pessoas nos grupos focais que 'permanecem' votando, isso sinalizou para elas que elas são uma minoria em seu país - em termos de suas crenças para alguns, e em termos de sua identidade étnica para outros.

Os participantes falaram mais abertamente ao reconhecer que compartilhavam pontos de vista

Clique para mais informações

Esse sentimento criou uma dinâmica interessante em alguns grupos focais, pois os participantes não sabiam como os grupos eram selecionados. Os entrevistados muitas vezes contornaram questões políticas ou culturais sensíveis, falando em termos vagos ou eufemismos, até que a conversa avançou a um ponto em que eles se sentiram confiantes de que muitas ou a maioria das pessoas na sala com eles compartilhavam seus pontos de vista. Em alguns casos, quando isso acontecesse, o moderador até mesmo confirmava para as pessoas que elas estavam em uma sala de indivíduos com ideias semelhantes sobre um determinado assunto (mais regularmente, que eram eleitores de 'saída' do Brexit). Nesse ponto, o tom da conversa mudaria palpavelmente e as pessoas pareceriam mais relaxadas ao discutir assuntos delicados.

Como disse um homem em Birmingham, lembrando-se do dia após o referendo: 'Foi bastante surreal ... isso não me representa ... (a Grã-Bretanha) não me sinto mais em casa'. Uma mulher negra de ascendência africana em Birmingham contou uma história sobre ir votar com seu marido no referendo do Brexit em 2016, dizendo: 'Acho que é a primeira vez em muito tempo que pude sentir o racismo flagrante na sala. Entramos na escola onde estávamos votando e todos se viraram para olhar para nós '. Outro eleitor 'remanescente' de ascendência de Bangladesh em Newcastle disse que se sentia em casa até o Brexit, mas agora ela perdeu amigos porque o Brexit '(trouxe) o racista interior. ... Pessoalmente, sinto que minha vida mudou completamente desde o Brexit'. Por outro lado, aqueles que votaram 'sair' compartilharam histórias de terem sido vilipendiados pelos remanescentes como xenófobos ou racistas.

'Eu costumava pensar que realmente acreditávamos no que Emma Lazarus escreveu em seu poema, que está na base da Estátua da Liberdade. E agora é, ‘Dê-me seus cansados, seus pobres, contanto que sejam brancos, do norte da Europa’.

Mulher, 70, Houston

Eleição dos EUA de 2016, referendo do Brexit trouxe à tona sentimentos de alienação entre os participantes do grupo de foco, quer apoiassem ou não a imigração, envolvimento global

Também nos EUA, especialmente em grupos de discussão compostos por democratas, as pessoas destacaram que a eleição de 2016 abalou sua crença nos valores centrais do país. Como disse um homem em Houston: 'Acho que recebemos mais os imigrantes ... agora parece que há pessoas que não querem certos imigrantes ... Brown (imigrantes). Sempre foi como ... ‘Venha aqui, este é o sonho americano’… sinto que isso está realmente sendo esmagado '. Alguns culparam explicitamente o presidente Trump pela mudança, dizendo que ele inflamou as coisas, 'incitando' o racismo. Uma jovem hispânica em Houston observou: 'Era uma vez, havia pessoas que eram racistas, mas eles meio que mantinham isso atrás de portas fechadas ... Mas agora está bem na vanguarda ... você vê pessoas simplesmente vomitando ódio em pessoas inocentes porque ouviram alguém falando uma língua diferente no Taco Bell '.

A sensação de não se sentir em casa em seu país também foi expressa por aqueles que votaram em 'deixar' no Reino Unido e por Donald Trump nos EUA. Os que abandonaram e os republicanos discutiram como os níveis de imigração 'fora de controle' e as acomodações que os imigrantes recebem pode ter criado um profundo sentimento de alienação em seu próprio país e um sentimento correspondente de que, se eles compartilharem essa opinião com outros com pontos de vista diferentes, eles serão castigados. Para alguns, isso se traduziu em amigos perdidos ou animosidade pessoal, com pessoas tanto da esquerda quanto da direita oferecendo exemplos de perda de amigos - ou de não serem amigas nas redes sociais - por causa de opiniões diferentes sobre os candidatos políticos.

'Eu tenho pele clara e meus irmãos são mais escuros ... estando em público, as pessoas dão uma olhada ... é desanimador para mim ... não tínhamos esse problema alguns anos atrás em público. (Além disso,) no jantar com alguns conhecidos ... eles começaram a falar besteiras sobre latinos. Eu (disse) 'Sabe, como mexicano ... discordo de você', e ele disse: 'Ah, mas você é um dos bons, então não estava falando de você.' - Sinto que essa afirmação não teria sido feita há cinco anos '.

Mulher, 19, Houston

Manifestantes a favor e contra a retirada do Reino Unido da UE discutem sobre a questão em uma manifestação perto das Casas do Parlamento em Londres, antes das votações planejadas sobre as emendas do Brexit em 29 de janeiro de 2019.

Tanto no Reino Unido quanto nos EUA, os participantes também explicaram como achavam que a polarização se aprofundou em seu país. Um americano observou que atualmente é 'traumático' ser americano, dizendo: 'Eu costumava ter uma identidade do que o americano significava e isso está se desvalorizando'. Outro descreveu a América como 'tribal', dizendo 'Não há acordo, não há bom senso. Sem ouvir outras pessoas. Tribos políticas '.

'Está à beira de uma guerra civil. Não é uma guerra civil racial. É uma guerra civil política '.

Homem, 51, Pittsburgh

Embora as mudanças que os participantes viram em seus países e os catalisadores percebidos dessas mudanças variassem, quase todos os participantes disseram que essas mudanças estavam fazendo com que se sentissem desconectados de sua identidade nacional. Para alguns, a globalização na forma de imigração e multiculturalismo provocou mudanças demais, a ponto de sentirem que não podiam mais reconhecer seu país. Eles notaram que não conseguiam sentir uma conexão com os outros sob o manto de serem 'britânicos' ou 'americanos' porque a cultura havia se deteriorado demais e que algumas pessoas agrupadas sob esse rótulo se sentiam muito diferentes delas.

'Perdemos nossa identidade como povo. Estamos lutando um contra o outro. Nós e eles. Uma casa dividida ... em termos socioeconômicos (status), raça, gênero, basta escolher algo (e estamos divididos ').

homem, 58, Houston

Para outros, os eventos cruciais que marcam uma mudança política do mundo globalizado em direção a um caráter nacional que prioriza o país os alienou de como costumavam conceituar e compreender seus países. Para essas pessoas, comunidade e identidade nacionalsignificouacolher pessoas de outros lugares e misturar culturas, alimentos e ideias.

Apesar das diferenças fundamentais na forma como caracterizam seus países, os dois grupos de pessoas foram reticentes em se rotularem como 'cosmopolitas'. Mesmo aqueles que apoiavam os princípios de um mundo globalmente orientado tendiam a descrever os 'cosmopolitas' como elitistas que estavam 'fora de alcance' ou eram jet-setters ricos, evocando imagens de um estilo de vida 'Sex and the City'. E mesmo que as pessoas com orientação global e com raízes nacionais estivessem desiludidas com o que significava ser britânico ou americano hoje - embora por razões diferentes - havia um desconforto em se identificar como um 'cidadão do mundo' ou, como Theresa May evocou, um 'cidadão de lugar nenhum'.

Soberania, competição e comunidade em um mundo globalizado

Conforme descrito acima, as rupturas ligadas à globalização geraram profundos sentimentos de perda e alienação em nível local e nacional. Em resposta, alguns participantes do grupo de foco expressaram apoio para 'retomar o controle' - o slogan da campanha Brexit - ou colocar 'América em primeiro lugar', o slogan frequentemente repetido da campanha Trump 2016. Para esses participantes, a esfera internacional é percebida como um espaço de competição, com foco no Estado-nação. Em contraste, os membros do grupo de foco que expressaram sentimento menos alienados pela globalização, e mais pela retórica e políticas nacionalistas, tenderam a destacar oportunidades para criar um senso de comunidade em nível internacional. Aqueles com a última mentalidade enfatizaram a importância das interações transfronteiriças entre pessoas, culturas e países e as maneiras pelas quais os Estados-nação podem cooperar em vez de competir.

O presidente Donald Trump discursa na Assembleia Geral da ONU na cidade de Nova York na abertura de sua 74ª sessão em 24 de setembro de 2019.

No decorrer das discussões do grupo de foco, os participantes observaram que a globalização se estende além de questões econômicas, como comércio, corporações multinacionais e mercados abertos, para questões de governança, soberania e conectividade possibilitada por novas tecnologias de comunicação. No centro da discussão das implicações políticas da globalização estava o papel e a influência das organizações multinacionais ou multilaterais, como a ONU, o Banco Mundial e - no caso do Reino Unido - a UE. Particularmente para participantes que estavam menos confortáveis ​​com a globalização, essas organizações foram estruturadas em termos de implicações para o estado-nação.

Os grupos focais nos EUA e no Reino Unido expõem a divisão entre aqueles que veem a globalização como uma competição de soma zero e aqueles que veem novas possibilidades de cooperação

Em grupos compostos por republicanos e conservadores nos EUA e no Reino Unido, respectivamente, os participantes evocaram a noção de soberania e o direito de seu país de autodeterminar se, como e com quem interagir no cenário mundial. Alguns nos EUA alegaram que organizações como a ONU e o G7 eram caminhos para o 'governo global' ou outros países afirmarem o poder sobre o país e 'tentar dizer a todos o que fazer'. Os entrevistados em grupos republicanos enfatizaram as discrepâncias de poder - destacando as maneiras pelas quais os Estados Unidos têm sido aproveitados por países como a China. Para os céticos globais nos grupos de foco dos EUA, um tema recorrente era a liderança americana e a preservação do interesse próprio do país, mesmo no contexto da cooperação multilateral. Como disse uma mulher de Seattle, 'a América deve ser o líder' e 'dar o exemplo'.

'(América) deveria deixar de ser tão dependente de (países concorrentes) e deveria ser mais severo com eles. Mas a mudança climática e o terrorismo são questões globais, e é preciso muita gente para resolvê-los. (Os EUA deveriam) manter seus amigos por perto e seus inimigos mais perto ”.

Mulher, 52, Seattle

O presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson na cúpula anual da OTAN de chefes de governo em 4 de dezembro de 2019, em Watford, Inglaterra. (Steve Parsons-WPA Pool / Getty Images)

No Reino Unido, a história do império influenciou as visões da nação
lugar no mundo

Clique para mais informações

No Reino Unido, a questão da história e do império esteve na frente e no centro dessas discussões. Aqueles que se sentiam menos confortáveis ​​com a globalização tendiam a voltar ao Império Britânico e a glorificar o papel do Estado-nação historicamente. Em contraste, aqueles que tendiam a aceitar mais a globalização eram mais propensos a sugerir que reconceituar a história - e o papel do Reino Unido internacionalmente - era merecido. Por exemplo, esses participantes notaram que o Reino Unido precisava pensar por si mesmoMenoscomo uma potência marítima poderosa e histórica e mais como parte de uma comunidade global. Como observou um participante escocês: 'Achamos que somos mais importantes no mundo do que provavelmente realmente somos. Somos uma pequena ilha. Parece que nos dizem que somos essa superpotência global o tempo todo, mas, na verdade, nosso poder está diminuindo cada vez mais, e acho que as pessoas precisam estar cientes disso e começar a ser um pouco mais realistas sobre o que vai acontecer no futuro '.

Uma história diferente surgiu entre os grupos 'remanescentes' no Reino Unido. Aqui, os participantes observaram que a posição atual de seu país no G7 e em outras organizações deve-se a uma história de influência internacional que colocou o Reino Unido no topo da 'hierarquia global'. A ideia de competição entre os estados-nação era generalizada, com os participantes usando analogias esportivas para descrever como o Reino Unido hoje poderia 'superar seu peso' no cenário mundial ou ser 'um dos grandes jogadores' globalmente.

Em ambos os países, os participantes discutiram a competição entre os Estados-nação em termos de influência econômica e também política. O comércio global costumava ser considerado um jogo de soma zero. O comércio era sobre o próprio país se beneficiando às custas de outros estados. Um homem em Pittsburgh comentou que os EUA corriam o risco de se tornar 'pobres' se se desligassem do comércio global e não pudessem mais 'manipular outros países para obter seus recursos'.

'Eu trabalhava para uma empresa (que comprava borracha) fabricada localmente. E então descobri que era um centavo mais barato para conseguir (a borracha) na China, então tudo foi para a China ... o efeito indireto de uma dessas fábricas fechando e os caras que fornecem suas matérias-primas e tudo mais ' .

Homem, 48, Newcastle

Um call center em Bangalore, Índia. (Gautam Singh / IndiaPictures / Universal Images Group via Getty Images)

Especialmente nos grupos de foco americanos, havia uma forte ênfase na terceirização, com as pessoas mencionando mudanças como a mudança de empregos menos desejáveis ​​para o exterior e o crescimento de call centers no exterior. Os participantes se fixaram em como os EUA estavam 'perdendo' esse jogo de soma zero para países como a China ou a Índia - países que 'ganharam' em virtude da manipulação de moeda ou desrespeito às regulamentações ambientais. Essa ideia também se materializou nas discussões sobre acordos comerciais como o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (que já foi substituído pelo Acordo Estados Unidos-México-Canadá).

'Se você disser a uma empresa na América,' Ei, você pode mover sua manufatura para qualquer lugar e não cobraremos por isso '... bem, é claro que eles farão isso. Porque em outros países, eles podem fabricar qualquer coisa, e então eles podem simplesmente despejar seus resíduos no rio porque eles não têm os controles ambientais que temos '.

Homem, 53, Pittsburgh

Mas nem todos viam a arena internacional como um dos Estados-nação em competição. Os participantes também falaram sobre a possibilidade - e importância - dos países 'trabalharem juntos para resolver os problemas que o mundo inteiro enfrenta'. Em grupos de foco em ambos os lados do Atlântico, as pessoas enfatizaram que seu país estava frequentemente mal equipado para lidar de forma independente com questões de grande escala, como mudanças climáticas ou terrorismo. Outros discutiram como a solução de questões complexas não era possível para um país fazer por conta própria sem recorrer aos recursos e experiência de outros países. Mesmo os céticos da globalização reconheceram que a cooperação, pelo menos até certo ponto, era necessária para resolver questões complexas.

'Precisamos educar e compartilhar… Certos países obtiveram melhores conhecimentos e esse tipo de coisa em certos campos, e podem compartilhar conhecimento'.

Homem, 46, Birmingham

Amigos seguram cartazes pedindo ações contra a mudança climática durante uma marcha de demonstração em Edimburgo em setembro de 2019. (Stewart Kirby / SOPA Images / LightRocket via Getty Images)

Em alguns casos, a cooperação internacional foi descrita como uma responsabilidade. Por exemplo, uma mulher que apoiava o Partido Trabalhista em Birmingham observou que 'cada pessoa é responsável pela mudança climática', independentemente de onde vive. O mesmo também era verdade quando se tratava de questões como saúde pública (embora esses grupos de foco ocorressem antes do surto global de COVID-19).

'Não podemos resolver (problemas internacionais) sozinhos, de qualquer maneira'.

Homem, 68, SEATTLE

Os participantes que viram a globalização como uma oportunidade, ao invés de uma ameaça, também falaram sobre as formas pessoais de comunidade internacional possibilitadas pelos avanços na tecnologia da comunicação. Para alguns, isso foi retratado como uma alternativa aos sentimentos de solidariedade local ou nacional enfraquecidos pelas forças globais. A velocidade e a difusão das redes sociais foram descritas como possibilitando a comunicação 'instantaneamente em todo o mundo' e criando a possibilidade de uma 'comunidade mundial' que pode fornecer 'suporte quando algo acontecer em todo o mundo'.

'(Globalização) só poderia ser uma coisa boa ... compartilhar conhecimento em vez de, como,' Esta é a nossa informação, e esta é a informação deles '.

MULHER, 47, Pittsburgh

Outros falaram sobre formas ainda mais pessoais de comunidade internacional, como um homem em Seattle que compartilhou que, graças a conexões online, ele encontrou um grupo pequeno, mas global, de pessoas que passaram pela mesma cirurgia no maxilar que ele. Outro homem em Houston compartilhou como, como gerente de contratação, ele não conseguiu encontrar americanos qualificados para preencher certas funções, então ele teve que estender a mão para pessoas no exterior. Para participantes como esses, a tecnologia e outros produtos da globalização eram vistos como um meio de criar conexões ou laços com pessoas além de suas comunidades locais e nacionais.

As pessoas trabalham em seus laptops na Biblioteca Britânica em Londres. (Kate Green / Agência Anadolu / Getty Images)

Os participantes também enfatizaram as maneiras como as pessoas e as ideias podem fluir, criando redes de interconectividade e interação que não são delimitadas por fronteiras nacionais. Eles apontaram para o papel da tecnologia na educação como proporcionando 'aprendizagem à distância para o mundo'. Uma mulher em Houston observou: 'Não se trata mais de uma nação, é o todo ... tudo afeta todo o resto', enquanto outra mulher de Houston enfatizou que a globalização envolve 'reconhecer que somos todos passageiros na nave espacial Terra ... (e) compartilhamos um interesse comum '. O cerne dessa discussão foi a sensação de que a globalização envolvia a evolução de um 'mercado aberto para o mundo', com 'achatamento das fronteiras' que reduzia os países a meras 'designações de passaporte' ou destinos para entregas na Amazônia.

'Acho que, por causa da Internet, temos que começar a nos ver como parte do planeta Terra, não americanos, italianos, mexicanos, seja o que for, estamos chegando ao ponto em que teremos que sejam terráqueos '.

Mulher, 72 anos, Seattle

Embora esses grupos de foco fossem diversos e se estendessem pelos EUA e Reino Unido, seus participantes viam a globalização por meio de uma de duas lentes: fomentando uma arena de rivalidade e competição internacional ou criando a possibilidade de novas comunidades transfronteiriças. Entre o primeiro grupo, o aumento das conexões internacionais significou maior insegurança e ameaças à capacidade de seu país de manter o poder e a influência. Para o último grupo, a globalização trouxe oportunidades percebidas, e até obrigações, de se conectar com outras pessoas, encontrar uma causa comum e enfrentar os problemas globais.

Disruptivo ... mas inevitável?

Em todos os grupos de foco, os participantes nos EUA e no Reino Unido concordaram consistentemente em uma coisa: suas comunidades, seus países e seus mundos estão mudando. Embora o termo 'globalização' nem sempre saia de suas línguas, os participantes concordaram que o catalisador para a mudança era um mundo cada vez mais interconectado, no qual corporações multinacionais, comércio exterior e organizações multilaterais se tornaram fatores importantes na formação de identidades locais e nacionais.

Se as pessoas descreveram serem arrastadas por influxos de dinheiro e pessoas, ou deixadas para trás conforme empregos e investimentos mudaram para outro lugar, a experiência da globalização foi frequentemente descrita em termos de 'perda' e não mais se sentindo em casa em sua comunidade ou país. Em alguns casos, esses sentimentos levaram os participantes a simpatizar com os apelos nacionalistas para 'retomar o controle' ou colocar 'a América em primeiro lugar'. Outros investiram menos na defesa das identidades locais e nacionais; eles viram oportunidades na forma de novos laços sociais além de suas localidades imediatas e novas formas internacionais de solidariedade, estimuladas por viagens, conectividade digital e um senso de prioridades compartilhadas além das fronteiras nacionais.

Mesmo aqueles que resistiram ao achatamento das fronteiras da globalização admitiram a importância de certos tipos de interconectividade. Os participantes dos grupos de foco dos EUA e do Reino Unido observaram as desvantagens de se desconectar ou colocar barreiras ao envolvimento global. Muitos disseram que o mercado de trabalho local ou nacional sofreria com menos imigrantes, assim como a disponibilidade de bens e recursos como petróleo, remédios e alimentos. Alguns também sugeriram que a segurança global poderia ser ameaçada se seu país rompesse os laços com os aliados. Um cético global no grupo de Houston resumiu sua posição dizendo: 'Gosto de poder ver o que está acontecendo em todos os lugares. Eu gosto disso se acontecer de eu querer um pouco de chá da China ... Posso pedir da Amazon ou qualquer outro lugar, e alguns dias depois eu o comprei. Mas eu também não gosto que muitos empregos americanos estejam indo para o exterior ... Eu me sinto neutro sobre (globalização). Eu vejo o bom e o ruim e não acho que tudo acabou ainda '.

Acima de tudo, o senso geral entre os participantes do grupo de foco é que não importa a política, localização, carreira ou posição de alguém na vida, a globalização veio para ficar. Os participantes em geral concordaram que as mudanças nos níveis local e nacional continuarão, impulsionadas pelo aumento da conectividade internacional. Os setores continuarão a mudar, as sociedades continuarão a lutar com questões de multiculturalismo e a tecnologia continuará a alterar o ritmo e o padrão dos laços e identidade transfronteiriços.

Nota Metodológica

Este projeto de pesquisa qualitativa comparativa transnacional foi elaborado para explorar mais completamente como o contexto local e a identidade nacional moldam as opiniões sobre a globalização. A análise é baseada nos 26 grupos de foco que conduzimos nos EUA e no Reino Unido no outono de 2019 e mais informações sobre os grupos e análises podem ser encontradas aqui e aqui.

Agradecimentos

Este relatório foi possibilitado pelo The Pew Charitable Trusts. O Pew Research Center é uma subsidiária da The Pew Charitable Trusts, seu principal financiador. Este relatório é um esforço colaborativo baseado na contribuição e análise de vários indivíduos e especialistas do Pew Research Center.