• Principal
  • Notícia
  • Como o assédio religioso varia de acordo com a região do mundo

Como o assédio religioso varia de acordo com a região do mundo

Em quase três em cada quatro países do mundo, grupos religiosos são vítimas de assédio por parte de indivíduos ou grupos da sociedade. O assédio e a intimidação assumem várias formas, incluindo agressões físicas ou verbais; profanação de locais sagrados; e discriminação contra grupos religiosos no emprego, educação e habitação. Todos os anos, rastreamos esse assédio por meio de uma variedade de fontes, incluindo o Relatório de Liberdade Religiosa Internacional do Departamento de Estado dos EUA e relatórios do Relator Especial da ONU sobre Liberdade de Religião e Crença. (Para obter mais informações sobre nossas fontes e procedimentos, consulte nosso relatório mais recente sobre restrições religiosas e hostilidades.) Aqui está uma análise região por região onde isso ocorre e para quais grupos:


Oriente Médio-Norte da África: grupo muçulmano mais hostilizado na regiãoO assédio ou intimidação de muçulmanos ocorreu em 75% dos países da região (15 de 20) em 2012, o último ano para o qual existem dados disponíveis. Cristãos e judeus também enfrentaram assédio em cerca de dois terços dos países (13 e 14, respectivamente). Na Tunísia, por exemplo, os salafistas continuaram a atacar locais religiosos, incluindo uma Igreja Ortodoxa Russa, sinagogas judaicas e dezenas de santuários muçulmanos sufis. E no Egito, Al-Azhar, a principal autoridade religiosa muçulmana sunita do Egito, condenou a construção de locais de culto xiitas, alegando que eles perturbam a 'unidade espiritual' do país. O Grande Mufti Ali Gomaa denunciou as crenças e doutrinas xiitas, dizendo que a disseminação do Islã xiita poderia levar a conflitos e instabilidade social.

Américas: Assédio de judeus encontrado em quase um terço dos paísesNas Américas, os judeus enfrentaram assédio ou intimidação em 29% dos países (10 de 35) - mais do que qualquer outro grupo na região. Em agosto de 2012, por exemplo, um grupo neonazista no Chile atacou um menino de 14 anos, desenhando uma suástica em seu estômago com uma seringa. Cristãos e muçulmanos sofreram assédio em cerca de um em cada dez países da região (11%, ou quatro países cada). No México, por exemplo, um grupo de católicos queimou e destruiu mais de uma dúzia de casas pertencentes a famílias protestantes evangélicas indígenas em retaliação pela recusa das famílias em se converter ao catolicismo. E no Canadá, em 2012, 'hooligans' vandalizaram uma mesquita em Quebec com pichações anti-islâmicas e danificaram as janelas e veículos da mesquita.

Europa: judeus, muçulmanos enfrentaram intimidação em sete em cada dez paísesNa Europa, os judeus foram assediados em 69% dos países da região (31 de 45). Os muçulmanos sofreram assédio em 71% dos países (32 de 45) - uma taxa quase tão alta quanto no Oriente Médio e no Norte da África (75%). Na Grécia, por exemplo, vândalos desfiguraram cemitérios judeus e incendiários atacaram mesquitas informais, bem como congregações das Testemunhas de Jeová. Na França, um grupo de pelo menos 10 pessoas atacou três jovens judeus com martelos enquanto caminhavam para os serviços de Shabat.

Ásia-Pacífico: Cristãos assediados em mais da metade dos paísesNa região da Ásia-Pacífico, os cristãos enfrentaram o assédio de grupos sociais em cerca de seis em cada dez países (58%, ou 29 de 50) - mais do que qualquer outro grupo na região. No Sri Lanka, de maioria budista, por exemplo, monges atacaram locais de culto tanto cristãos quanto muçulmanos, inclusive ocupando uma igreja adventista do sétimo dia na cidade de Deniyaya e convertendo-a em um templo budista. Na Turquia, na Páscoa de 2012, três homens atacaram um ministro leigo protestante em sua igreja, espancando-o e ameaçando-o por não sair do bairro.


África Subsaariana: Prevalência de assédio às religiões popularesCerca de três quartos dos países nos quais ocorreram incidentes de assédio contra praticantes de religiões populares estavam na África Subsaariana. Seguidores de religiões populares ou tradicionais - incluindo aqueles que praticam ou são acusados ​​de bruxaria - foram assediados em quase três em cada dez países (27%, ou 13 de 48) nesta parte do mundo. Na República Democrática do Congo, as igrejas supostamente forçaram as crianças acusadas de bruxaria a suportar exorcismos envolvendo isolamento, espancamentos, fome e outras torturas. E no Malawi, uma multidão atacou uma mulher idosa acusada de bruxaria, espancando-a e incendiando-lhe a casa. Muçulmanos (35% dos países) e cristãos (29%) também enfrentaram assédio considerável na região.