• Principal
  • Notícia
  • A Segurança Interna produz a primeira estimativa de visitantes estrangeiros nos EUA que ultrapassam o prazo de saída

A Segurança Interna produz a primeira estimativa de visitantes estrangeiros nos EUA que ultrapassam o prazo de saída

Visitante estrangeiro ultrapassa a região de nascimentoSob pressão do Congresso para melhorar o rastreamento de visitantes estrangeiros, o Departamento de Segurança Interna produziu sua primeira estimativa parcial daqueles que ultrapassam o limite de suas autorizações para permanecer nos Estados Unidos. Entre 45 milhões de chegadas nos Estados Unidos por via aérea e marítima cujos vistos de turismo ou negócios expiraram em No ano fiscal de 2015, a agência estima que cerca de 416.500 pessoas ainda estavam no país este ano.


O relatório do governo foi limitado em escopo e não inclui dados de tendência confiáveis ​​que possam esclarecer se as ultrapassagens estão crescendo ou diminuindo.

Países líderes para estadias prolongadasO país com mais visitantes que não saíram ao final da estadia autorizada foi o Canadá, seguido do México e do Brasil, segundo o relatório. Entre o total de chegadas estrangeiras contadas no relatório, essas três nações foram responsáveis ​​por mais de um terço dos que ficaram fora do país.

O Congresso exigiu que o governo melhorasse o rastreamento de visitantes estrangeiros que ultrapassaram o prazo de saída desde o final da década de 1990, mas o interesse aumentou depois de cinco dos sequestradores de aviões de 11 de setembro de 2001, que descobriram ser estrangeiros com vistos vencidos. Os dados sobre aqueles que ultrapassaram o período de estada também poderiam adicionar detalhes ao retrato dos 11,3 milhões de imigrantes não autorizados do país, porque não se sabe quantos chegaram legalmente ou ilegalmente.

O perfil do país dos visitantes estrangeiros que ficam além do prazo e se tornam não autorizados é um pouco diferente do dos imigrantes não autorizados em geral. Os mexicanos representaram 49% dos imigrantes não autorizados em 2014 (incluindo alguns que chegaram há décadas), mas de acordo com o relatório, eles representam apenas cerca de 9% dos estrangeiros (ou 42.000 pessoas) que chegaram por via aérea e marítima, ultrapassaram a estadia e não deixou no final do ano fiscal de 2015. Os canadenses, entretanto, respondem por cerca de 1% dos imigrantes não autorizados na última estimativa do Pew Research Center para 2012, mas 19% dos estagiários que não partiram até o final do ano fiscal de 2015, ou 93.000 pessoas.


O relatório de Segurança Interna sobre estadas extras foi limitado a estrangeiros cuja permissão para permanecer nos EUA expirou durante o ano fiscal de 2015, que terminou em 30 de setembro. Ele examinou as admissões para negócios ou lazer por avião ou mar, que representaram 85% das chegadas com visitantes autorizações que expiraram no ano fiscal de 2015, mas não outras categorias menores, como vistos para estudantes ou para trabalhadores temporários e suas famílias. Abrangia apenas aqueles que chegavam por mar ou ar, e não por terra do Canadá ou do México, que representam a maioria dos visitantes temporários.



O relatório indica que o número de visitantes estrangeiros que ficam além do limite diminui com o tempo. Ao todo, o relatório informa que dos 45 milhões de desembarques que deveriam partir no ano fiscal de 2015, cerca de 527 mil permaneceram no país após o término da permissão de permanência, uma taxa de 1,17%. Algumas dessas estadas mais tarde partiram, mas 483.000 ainda estavam nos EUA no final do ano fiscal em 30 de setembro, uma taxa de 1,07%. Mais deixaram os EUA depois disso, então em 4 de janeiro de 2016, cerca de 416.500 ainda estavam no país, uma taxa de 0,9%. O relatório do DHS disse que alguns provavelmente partiram desde então, ou obtiveram ou renovaram um visto legal.


Oficiais de Segurança Interna dizem que pretendem melhorar sua coleta de dados, especificamente para incluir categorias de visto de estudante, e publicar atualizações regulares para fornecer dados de tendências.

O governo obtém dados sobre estrangeiros que saem dos EUA de companhias aéreas e navios de passageiros, que desde 2005 são obrigados a coletá-los. O DHS está expandindo a coleta de dados biométricos, principalmente impressões digitais, para rastrear as idas e vindas de viajantes estrangeiros por via aérea e marítima, mas a implementação generalizada para voos de saída está paralisada. Nas fronteiras terrestres, os EUA e o Canadá trocam dados sobre viajantes estrangeiros em cada direção, mas os EUA recebem poucas informações sobre visitantes estrangeiros que partem para o México. O DHS relata mais de 110 milhões de entradas que não exigem vistos de entrada nas fronteiras terrestres; a grande maioria deles são passageiros ou outras pessoas que vêm para visitas curtas.


O relatório também incluiu as taxas de overstay geral e por país.

O relatório de overstay dividiu as estatísticas em três grupos de países: países com programas de isenção de visto, onde os EUA não exigem visto para visitas temporárias; países para os quais são necessários vistos de entrada; e Canadá e México. Canadá e México tiveram taxas de overstay acima da média, assim como países que não têm acordos de isenção de visto com os EUA. Como um grupo, os países com acordos de isenção de visto (principalmente na Europa) tiveram uma taxa de overstay abaixo da média, embora alguns países individuais, incluindo Chile, Hungria e Portugal, tiveram taxas acima da média.

A metodologia da Segurança Interna e os resultados relatados têm pelo menos duas desvantagens potenciais. Em primeiro lugar, o número de estadas extras conta cada pessoa que estagiou uma vez, mas as 45 milhões de admissões cobertas pelo relatório incluem algumas pessoas que vieram para os EUA mais de uma vez com vistos ou outras autorizações que expiraram no ano fiscal de 2015. Se cada visitante fosse contado apenas antes, o número de 45 milhões de admissões seria menor e a proporção de pessoas que dormiam mais do que a taxa de overstay relatada. O DHS não informou o número de visitantes temporários a negócios ou lazer que entram nos EUA mais de uma vez durante o ano.

Mas um segundo problema, que pode estar inflando a taxa de overstay, é que vários desafios de manutenção de registros tornam difícil combinar os registros de chegada e partida da mesma pessoa. Se o governo não combinar esses registros por causa de erros de dados, uma pessoa que realmente deixou o país seria erroneamente contabilizada como excedente. Da mesma forma, se nem todos os registros de partida forem coletados pelas companhias aéreas e transmitidos ao DHS, podem ocorrer relatórios errôneos de overstays.