• Principal
  • Notícia
  • A primeira fuzileira naval se forma no curso de infantaria extenuante do corpo

A primeira fuzileira naval se forma no curso de infantaria extenuante do corpo

Uma cerimônia de graduação está sendo realizada hoje na Escola de Infantaria do Corpo de Fuzileiros Navais em Camp Geiger, N.C. para três mulheres alistadas que são as primeiras a concluir o chamado curso de 'grunhido' do corpo. Em janeiro, o Pentágono suspendeu a proibição de longa data das mulheres em funções de combate, e o desempenho de mulheres militares em ambientes como o curso do Corpo de Fuzileiros Navais é parte de uma avaliação ainda em andamento sobre a integração delas em unidades de infantaria.


Uma pesquisa do Pew Research Center realizada logo após o levantamento da proibição de combate encontrou amplo apoio público para a ação. Dois terços dos americanos apoiaram a permissão de mulheres nas forças armadas para servir em unidades terrestres que se envolvem em combate corpo a corpo, enquanto apenas 26% se opuseram.

A maioria dos americanos (58%) disse que a mudança de política melhoraria as oportunidades para as mulheres nas forças armadas.

Embora o debate sobre as mulheres em combate tenha se centrado em parte em como isso afetaria a eficácia militar, apenas 15% dos entrevistados acreditavam que isso iria piorar. Cerca de metade (49%) disse que incluir mulheres em unidades de combate não faria diferença para a eficácia militar e 29% disseram que melhoraria a eficácia.

Democratas e republicanos tinham opiniões diferentes sobre a questão da eficácia militar. Muito mais democratas dizem que a mudança vai melhorar a eficácia militar (38%) do que piorá-la (7%); 52% dizem que não fará muita diferença. Em contraste, mais republicanos dizem que as mulheres em papéis de combate terão um efeito negativo sobre a eficácia militar (29%) do que melhorá-la (20%); 41% dizem que as coisas não serão muito diferentes.


Entre as famílias onde alguém serviu no exército, 44% disseram que a inclusão de mulheres em listas de combate não faria diferença para a eficácia. Cerca de um quarto (26%) disse que melhoraria a eficácia, enquanto 22% disseram que pioraria.



Compartilhe este link:Bruce Drakeé editor sênior do Pew Research Center.PUBLICA O BIO EMAIL