Em Abril de 2016, a sonda espacial Opportunity captou imagens de um dust devil em Marte.

Estes fenómenos ocorrem quando o ar quente sobe rapidamente e em espiral, formando uma espécie de tornado.

Na Terra estes fenómenos ocorrem com alguma frequência, inclusive em Portugal Continental, onde são mais prováveis no Verão.

Qualquer planeta com atmosfera pode suster este tipo de fenómenos, pelo que é totalmente normal a sua observação em Marte. No entanto trata-se da primeira observação de um fenómeno meteorológico deste tipo num planeta que não a terra.

A diferença entre um Dust Devil e um tornado é que os tornados estão associados a movimentos muito mais profundos, muitas vezes associados a sistemas de trovoadas que podem ter até 10 ou 15km de altitude.
Estas nuvens de trovoada sugam o ar, e para adquirirem movimento rotativo, geralmente dependem de diferenças na direcção do vento ao longo da troposfera, que as obrigam a rodar, formando supercélulas ( trovoadas “rotativas” ) e eventualmente tornados.

Por outro lado um dust devil não necessita de qualquer tipo de nuvem ou instabilidade muito significativa.

Os fenómenos tornádicos são complexos de prever e de analisar, havendo todo um espectro de fenómenos que se coloca entre os mais fraquinhos Dust Devils, passando pelos Gustnados, Trombas e eventualmente Tornados e Tornados severos.