• Principal
  • Notícia
  • Gráfico da semana: como a África do Sul mudou, e não mudou, ao longo da vida de Mandela

Gráfico da semana: como a África do Sul mudou, e não mudou, ao longo da vida de Mandela

mandela_southafrica

Ao longo dos 95 anos de Nelson Mandela, a África do Sul evoluiu de um domínio britânico governado por brancos para uma república representativa de sua população de maioria negra. Mas, embora o país tenha mudado política e demograficamente, economicamente ainda parece muito com o que era há quase um século, dividido em linhas raciais.


Este infográfico da The Economist mostra como as disparidades econômicas entre os principais grupos raciais da África do Sul (medidas em renda per capita real) aumentaram ao longo do tempo. A lacuna entre os brancos e todos os outros grupos aumentou até cerca de 1970; O crescimento da renda dos brancos desacelerou nas décadas de 1970 e 1980, à medida que as sanções prejudicaram a economia do país. Mas, à medida que as sanções foram suspensas após o colapso do regime do apartheid, brancos e asiáticos (principalmente de ascendência indiana) foram os que mais se beneficiaram, enquanto a renda dos negros foi quase estagnada.

Nota: Valores em rands sul-africanos. Taxa de câmbio atual: $ 1 US = 10,35 rands. Fonte: Estatísticas da África do Sul

De acordo com o censo de 2011 da África do Sul, a renda familiar média anual para negros era de 60.613 rands (cerca de US $ 8.700 na taxa de câmbio atual), cerca de um sexto da renda média anual entre famílias brancas e um quarto das famílias asiáticas. As famílias mestiças (ou “mestiças” na linguagem sul-africana) tinham uma renda média cerca de duas vezes maior que a dos negros. (Observe que esses números estão em dólares correntes e, portanto, não são diretamente comparáveis ​​aos ajustados pela inflação no gráfico do Economist.)

A outra tendência que o gráfico do Economist deixa clara é o quão mais rápido a população negra da África do Sul está crescendo em relação a outros grupos raciais. Os negros representavam 79,2% dos 51,8 milhões de habitantes do país, de acordo com o censo de 2011, ante 77,4% em 1996; os brancos representavam 8,9% da população, ante 11% em 1996. (A proporção da população de mestiços e asiáticos manteve-se razoavelmente constante.)