• Principal
  • Notícia
  • A taxa de desemprego dos negros é consistentemente o dobro da dos brancos

A taxa de desemprego dos negros é consistentemente o dobro da dos brancos

FT_13.08.202_BlackWhiteUnemploymentMuita coisa mudou para os afro-americanos desde a marcha de 1963 em Washington (que, lembre-se, foi uma marcha por “Empregos e liberdade”), mas uma coisa não mudou: a taxa de desemprego entre os negros é quase o dobro daquela entre os brancos, pois tem sido na maior parte das últimas seis décadas.


Em 1954, o primeiro ano para o qual o Bureau of Labor Statistics tem dados consistentes de desemprego por raça, a taxa média de brancos era de 5% e a taxa de negros era de 9,9%. No mês passado, a taxa de desemprego entre brancos era de 6,6%; entre os negros, 12,6%. Nesse período, a taxa de desemprego dos negros foi em média cerca de 2,2 vezes maior do que a dos brancos.

As lacunas mais amplas, quando o desemprego dos negros chegava a 2,77 vezes o dos brancos, ocorreram no final da década de 1980, quando os setores manufatureiros que empregavam parcelas desproporcionais de afro-americanos encolheram. As menores lacunas, ironicamente, vieram no verão de 2009, durante a Grande Recessão; O desemprego dos brancos subiu tão alto, tão rápido, que a taxa de desemprego dos negros foi “apenas” 1,67 vezes maior.

A disparidade de desemprego entre brancos e negros parece ter surgido na década de 1940, de acordo com uma análise de 1999 dos dados do Censo. Embora economistas trabalhistas, sociólogos e outros pesquisadores tenham oferecido muitas explicações para a lacuna persistente de 2 para 1 - desde a distribuição industrial diferente de trabalhadores negros e brancos até uma 'lacuna de habilidades' entre eles - não há consenso sobre as causas. Um documento de trabalho de 2011, após revisar a pesquisa existente sobre as diferenças salariais e de desemprego entre negros e brancos, concluiu que “nenhum dos modelos existentes de discriminação racial no mercado de trabalho explica as principais regularidades empíricas”.

Uma explicação comum, como William A. Darity Jr., da Duke University, disse ao Salon em 2011, é que os negros são 'os últimos a serem contratados em uma boa economia e, quando há uma crise, eles são os primeiros a serem libertados'. Um artigo de 2010 testando a hipótese 'último contratado, primeiro demitido' contra dados de painel da Current Population Survey (do qual a taxa de desemprego é derivada) encontrou um apoio considerável para a parte 'primeiro demitido', mas não para a parte 'último contratado': Os negros têm, de fato, uma probabilidade desproporcional de perder seus empregos à medida que o ciclo de negócios enfraquece, mas o lado da contratação é mais complexo: “(E) arly no ciclo de negócios, aqueles negros com um vínculo mais forte com a força de trabalho (ou seja, os desempregados) são os primeiros contratados. Os negros que não participam tendem a ser contratados no final do ciclo de negócios, quando a demanda por trabalho é particularmente forte. ”