• Principal
  • Notícia
  • As taxas de natalidade ficam para trás na Europa e nos EUA, mas o desejo por filhos não

As taxas de natalidade ficam para trás na Europa e nos EUA, mas o desejo por filhos não

Tamanho de família ideal na Europa, EUAEm muitas nações desenvolvidas, o número médio de filhos que uma mulher tem ao longo da vida é agora inferior a dois, ficando aquém da fertilidade aproximada necessária para uma geração se 'substituir'. Embora existam muitos fatores que impulsionam o que alguns consideram um ‘Baby Bust’ na Europa e, em menor medida, nos EUA, a falta de desejo por filhos não está entre eles.


Um total de 87% das mulheres em 27 estados membros da União Europeia (UE) relataram que o tamanho de família ideal para elas pessoalmente é dois ou mais filhos, de acordo com uma pesquisa Eurobarômetro de 2011. Cerca de 57% disseram que dois é o ideal e outros 30% disseram que três ou mais é o ideal. Esses números são baseados em 92% dos entrevistados que forneceram um ideal numérico; o resto dizia que 'não tem número, depende' ou dizia 'não sei'. Cerca de 87% dos homens da UE que tinham uma preferência também relataram que sua própria família ideal incluiria dois ou mais filhos.

Mas quando se trata de fertilidade, a realidade muitas vezes não condiz com o ideal. Entre as mulheres da UE com idades entre 40 e 54, um terço relatou que o número de filhos quena realidadetêm é inferior ao seu ideal pessoal. Essa lacuna entre a fertilidade ideal e a real varia consideravelmente por país. Na Dinamarca, 45% das mulheres com idades entre 40 e 54 anos relataram que sua fertilidade real é inferior à fertilidade ideal, enquanto na outra extremidade do espectro, na Bulgária, apenas 18% das mulheres perto do final de seus anos férteis relataram que o o número de filhos que têm é inferior ao ideal.

Europeus querem dois ou mais filhos

No total, seis em cada dez mulheres da UE perto do fim da idade fértil relataram ter o número de filhos que consideram ideal e menos de uma em dez relatou que o número de filhos que têm é superior ao ideal.


(Comparar a fertilidade real e ideal de mulheres de 40 a 54 anos é mais próximo de uma comparação 'maçãs com maçãs' do que comparar a fertilidade real e ideal entre todas as mulheres. Isso ocorre porque as mulheres perto do fim de seus anos férteis provavelmente terão já completaram sua fertilidade vitalícia, enquanto muitas mulheres mais jovens terão mais filhos.)



Embora os EUA tenham sido um tanto imunes às baixas taxas de fertilidade que levantaram preocupações na Europa, a fertilidade real dos EUA também tende a cair abaixo do ideal. Cerca de 52% das mulheres americanas (que deram respostas numéricas) disseram que seu ideal é dois filhos, e um adicional de 44% disse que três ou mais filhos é seu ideal. (Enquanto 86% das mulheres deram respostas numéricas a esta pergunta, 14% relataram que o tamanho ideal da família era 'tantos quanto (alguém) quiser'.) Mas 40% das mulheres americanas que se aproximam do fim de seus anos férteis têm menos filhos do que seu ideal.


Esses resultados dos EUA são baseados em dados de 2006-2008 da Pesquisa Social Geral, que faz uma pergunta mais geral do que aquela feita na UE: 'Qual você acha que é o número ideal de filhos para uma família ter'? As análises sugerem que esta pergunta 'ideal geral' produz resultados semelhantes à pergunta 'ideal pessoal' feita na UE, mas, no entanto, deve-se ter cautela ao comparar os EUA e a UE nessas medidas ligeiramente diferentes de fertilidade ideal.

Então, o que está causando essa lacuna entre o tamanho ideal e o real da família? Entre outras coisas, atrasos na procriação, que podem ser causados ​​por aumentos no nível de escolaridade ou pela falta de um parceiro adequado, podem desempenhar um papel. Começar a ter filhos mais tarde significa que há menos anos para uma mulher atingir seus ideais de fertilidade, além de aumentar o risco de infertilidade relacionada à idade.


Depois, há fatores econômicos diretos, que são suficientes para dar uma pausa a qualquer pai em potencial. Embora muitos países europeus ofereçam mais assistência financeira por meio de licença parental e outros subsídios para os pais do que nos Estados Unidos, criar filhos ainda é caro. Em ambos os lugares, as taxas de natalidade parecem ligadas ao bem-estar econômico, com maior fecundidade em tempos de prosperidade econômica e menor fecundidade em recessões.

Também é importante observar que a 'fertilidade real', conforme definida pelo Eurobarômetro, não inclui filhos adotados ou enteados, e uma pequena parcela das mulheres perto do final de seus anos de procriação ainda pode ter outro filho.