• Principal
  • Notícia
  • Enquanto o caso Trayvon Martin vai a julgamento, lembrando um grande evento da mídia

Enquanto o caso Trayvon Martin vai a julgamento, lembrando um grande evento da mídia

O dia de hoje marca o início do que provavelmente será uma batalha no tribunal, observada de perto - o julgamento do assassinato de George Zimmerman pelo tiro fatal de Trayvon Martin, de 17 anos, em Sanford, Flórida, em 26 de fevereiro de 2012.


Embora tenha havido uma cobertura contínua do caso e a preparação para o julgamento, pode ser difícil lembrar o quão grande - e polarizadora - a história racialmente carregada era quando estourou, mais de um ano atrás. Nos cinco anos em que o Pew Research Center rastreou a cobertura de notícias semanais (janeiro de 2007 a maio de 2012), o assassinato de Martin recebeu o mais alto nível de cobertura sustentada de qualquer história com um importante componente racial. E o interesse público pela história desmoronou em linhas raciais e partidárias, com negros e democratas prestando muito mais atenção às notícias sobre o caso do que brancos e republicanos.

Enquanto o tiroteio de Martin rapidamente começou a chamar a atenção nas redes sociais, a cobertura da mídia convencional começou lentamente, levando várias semanas após o assassinato de 26 de fevereiro para crescer.

6-10-2013 12-07-04 PMDe acordo com nossos dados, o caso Martin emergiu como a história número 1 na grande imprensa na semana de 19 a 25 de março de 2012 - após o lançamento das ligações para o 911 de Zimmerman. Naquela semana, ele respondeu por 19% do newshole, tornando-se a primeira história em 2012 a gerar mais cobertura em uma única semana do que a campanha presidencial. (O termo newshole se refere ao espaço dedicado a cada assunto impresso e online e tempo no rádio e na TV.) Nesse ponto, cerca de um terço dos americanos (35%) disseram que estavam acompanhando as notícias sobre o caso de muito perto, fazendo é uma das principais histórias de 2012 em termos de nível de atenção do público.

6-10-2013 12-07-19 PMTambém está claro que o interesse público na história se dividiu em linhas raciais e políticas. Uma pesquisa do Pew Research Center descobriu que de 29 de março a 1º de abril de 2012, 58% dos afro-americanos disseram que o caso Martin era a história que estavam acompanhando mais de perto, em comparação com apenas 24% dos brancos. Ao mesmo tempo, duas vezes mais democratas (38%) do que republicanos (19%) disseram que essa era a história que estavam acompanhando mais de perto. Uma divisão semelhante foi observada sobre a quantidade de atenção da mídia, com brancos e republicanos muito mais propensos a dizer que havia cobertura demais (43% e 56%, respectivamente) do que negros (16%) e democratas (25%).


Essa divisão partidária parece ter se refletido em parte da cobertura a cabo no ano passado. Um estudo de notícias a cabo durante parte do período de pico de cobertura - de 19 a 28 de março de 2012 - encontrou níveis muito diferentes de atenção no MSNBC e no canal Fox News. No primeiro caso, com sua programação de horário nobre de tendência liberal, o assassinato de Martin foi responsável por 49% do tempo de antena estudado durante esse período. A Fox, com seus apresentadores do horário nobre de tendência conservadora, dedicou apenas 15% de seu tempo de transmissão ao caso. (Na CNN, a história foi responsável por 40% do tempo de antena estudado.)