• Principal
  • Notícia
  • Como primeiro editor executivo negro do New York Times, Dean Baquet está em uma minoria distinta

Como primeiro editor executivo negro do New York Times, Dean Baquet está em uma minoria distinta

Crédito: AP Images

Assim como a demissão da editora executiva do New York Times, Jill Abramson, em 14 de maio, gerou um debate sobre os papéis de gênero no jornalismo, a ascensão de Dean Baquet - o primeiro afro-americano a dirigir a redação do jornal - renovou o foco na contratação de minorias nas notícias indústria.


Se Baquet é uma figura histórica no Times, ele também faz parte de uma pequena minoria nos meios de comunicação dos EUA. Nossa análise de dados descobriu que, nas redações de jornais, a porcentagem de funcionários e supervisores negros, hispânicos, asiáticos, nativos americanos ou multirraciais permaneceu praticamente inalterada nas últimas duas décadas - respondendo por cerca de um em cada dez cargos. A situação é um pouco diferente na transmissão de notícias, onde os funcionários das minorias ainda estão em grande desvantagem numérica, mas sua presença tem, em alguns casos, aumentado modestamente.

De acordo com o censo das redações de jornais de 2012 da American Society of News Editors (os dados mais recentes disponíveis), as minorias representam 12% da força de trabalho. Isso representa praticamente nenhuma mudança desde 1994, quando as minorias representavam 11% dos funcionários da redação e um declínio do ponto alto de 14% em 2005. (A porcentagem de mulheres nas redações também permaneceu inalterada - em cerca de 35% - desde o final dos anos 1990 .)

Jornalistas de minorias em jornais permanecem os mesmos depois de mais de uma década

No entanto, é importante notar que a porcentagem de minorias não mudou durante um período em que os jornais perderam quase 16.000 empregos. Os dados da ASNE indicam que o número de minorias empregadas em jornais caiu para 4.700 em 2012, 1.200 a menos do que em 1994.

A porcentagem de supervisores minoritários nas redações de jornais permaneceu estática por 15 anos. Em 2012, 10% dos cargos de supervisão foram preenchidos por minorias, em comparação com 9% em 1997, o primeiro ano em que os dados por cargo estavam disponíveis.


O crescimento real das contratações ocorreu entre 1977 e 1994, quando o percentual de minorias nas redações dos jornais quase triplicou - de 4% para 11%. Durante esse período, as redações fizeram esforços mais deliberados para contratar mais jornalistas de minorias e trabalhar para garantir que a composição das redações fosse semelhante à das comunidades que cobrem. A indústria também se envolveu. A Associação Nacional de Jornalistas Negros (NABJ) foi formada em 1975 para, entre outras coisas, trabalhar para trazer mais jornalistas de minorias para as redações. Três anos depois, em 1978, a ASNE deu início a um grande esforço com o objetivo de diversificar a indústria jornalística.

Nos noticiários da TV local, as minorias representam uma porcentagem maior da força de trabalho do que nos jornais, mas esse número também permaneceu praticamente inalterado nos últimos anos. A pesquisa anual RTDNA / Hofstra University constatou que as minorias representavam 21% da força de trabalho das emissoras locais em 2012. Essa é a mesma porcentagem de 2004.


Além disso, nove por cento dos gerentes gerais de TV local e 14% dos diretores de notícias eram minorias em 2012. Isso representa um aumento modesto para os dois cargos desde 2004. Naquele ano, as minorias representavam 7% dos GMs e 12% dos diretores de notícias. (A porcentagem de GMs de televisão minoritários atingiu um pico de 10% em 2007.)

A porcentagem total de minorias trabalhando no noticiário de rádio local aumentou de 8% em 2004 para 11% em 2012. Esses números caíram para 5% em 2009, mas se recuperaram desde então, de acordo com dados da RTDNA.


A trajetória de minorias que ocupam cargos de diretor de notícias e cargos de gerente geral em notícias de rádio local tem sido um pouco acidentada. As minorias detinham 10% das vagas de diretores de notícias de rádios locais em 2012 quase o mesmo que em 2004, quando 11% dos diretores de notícias de rádios eram minorias, mas isso representa um aumento de 5% em 2010. Apenas 8% dos gerentes gerais de rádios locais eram minorias em 2012, mas esse percentual é mais do que o dobro do que era em 2004 (3%).