Análise técnica:
Esta 5ª feira um sistema de baixas pressões em cavamento deverá evoluir a oeste da Galiza.
A presença de condições fortemente baroclínicas, com um sistema de frentes bem definido e suporte dinâmico em altitude na forma de uma potente ondulação fria aos 500-300hpa, deverão permitir um cavamento do ciclone para valores inferiores a 990hpa (pressão atmosférica à superfície) de forma bastante rápida.

Durante a manhã, uma frente quente irá introduzir uma pluma de ar mais quente, com robusta circulação de sul a gerar intensa advecção de ar quente.
Desde cedo esperamos precipitação em geral fraca a moderada e persistente, assim como uma intensificação gradual do vento, em especial no Minho e Douro Litoral.

Pela tarde, a frente fria entrará pelo Litoral Norte e Centro, com as condições mais significativas a ocorrerem, em especial nas regiões mais a noroeste.
A frente deverá evoluir num ambiente de fluxo em intensificação, dado o cavamento previsto do ciclone a norte da Galiza, com helicidades significativas nos primeiros 2km.
As condições termodinâmicas caracterizadas pela advecção diferencial de ar quente e húmido nas camadas baixas e de ar mais frio e seco em altitude, deverão gerar perfis instáveis com pelo menos 3-5km de espessura.

( Resumo )
Dado o suporte dinâmico significativo, a instabilidade marginal e a presença de um regime de ventos muito intenso e com características rotacionais, não descartamos que se formem alguns elementos convectivos com precipitação intensa, rajadas pontualmente superiores a 100 km/h e possibilidade baixa, mas não negligenciável de algum fenómeno tornádico.

As probabilidades são maiores na faixa litoral e pré litoral a norte de Aveiro, em especial no Minho e Douro Litoral.