5 desafios para estimar a migração global

FT_13.10.26_GlobalMigration


Consulte as estimativas de migração global do Pew Research Center para 2010, incluindo dados interativos e dados.

Com relatos recentes de migrantes que arriscam suas vidas cruzando o Mediterrâneo, comunidades ciganas em movimento pela Europa e alegados abusos de trabalhadores migrantes no Oriente Médio, uma das perguntas mais frequentes é: Quantos migrantes existem no mundo?

Em 2013, as Nações Unidas estimaram que havia cerca de 232 milhões de migrantes internacionais no mundo. Muitos podem se surpreender em saber que esse número representa pouco mais de 3% da população mundial - uma porcentagem que se manteve estável por várias décadas. Mas se todos os migrantes do mundo estivessem em um único país, seria o quinto país mais populoso do mundo, situando-se entre as populações da Indonésia e do Brasil. Os Estados Unidos ainda atraem o maior número de migrantes de longe, com cerca de um em cada cinco migrantes do mundo vivendo no país, ou mais de 40 milhões de pessoas. (Esses números se referem ao número total, ou 'estoques' cumulativos, de migrantes que vivem ao redor do mundo, e não à taxa anual de migração, ou 'fluxos' atuais.)

image001

Claro, os migrantes internacionais não estão em um só lugar. Eles têm tantas origens e destinos quantos países e territórios no mundo. E eles permanecem no país de destino por diferentes períodos de tempo - meses, anos e às vezes a vida inteira. Em algumas partes do mundo, particularmente na Europa e no Oriente Médio, o rápido influxo de migrantes se tornou uma fonte de tensão econômica, preocupação humanitária e debate de políticas públicas.


Entre outros, o Pew Research Center tem estado na vanguarda em estimar as origens, destinos e até mesmo a religião dos migrantes internacionais. Mas muitas vezes esses esforços são atormentados por sérios desafios. Freqüentemente, temos melhores dados sobre o envio de cargas ao redor do mundo do que sobre o movimento de pessoas. Aqui estão cinco obstáculos comuns na obtenção de melhores estimativas sobre a migração internacional:



1 Os migrantes continuam se movendo
Por definição, um migrante se move. Mas os migrantes normalmente não se movem apenas uma vez. Os migrantes podem se mudar para um país, ficar um tempo e se mudar para outro lugar. Na Europa, por exemplo, um migrante da Romênia pode encontrar trabalho na Espanha, ser despedido e tentar conseguir um emprego no Reino Unido antes de fazer uma viagem de volta para casa. Não é de surpreender que todo esse movimento seja difícil de rastrear.


2Quem é um migrante internacional?
Ao descrever os imigrantes, muitos países seguem a regra do estrangeiro - uma pessoa que nasceu fora do país em que vive agora. Mas nem todos os países seguem essa convenção. Por exemplo, a Alemanha conta principalmente com os cidadãos estrangeiros (aqueles sem nacionalidade alemã), não os nascidos no estrangeiro (os nascidos fora da Alemanha). Por exemplo, os migrantes que entraram na Alemanha como migrantes de 'retorno' de descendência alemã não são, da perspectiva da Alemanha, contados como migrantes, embora tenham nascido na Polônia, Rússia ou outro país. Isso pode levar a estimativas muito diferentes. Em 2010, o número de cidadãos estrangeiros se aproximou de 7 milhões na Alemanha, mas a população total de estrangeiros (incluindo 'alemães que retornaram nascidos fora da Alemanha') é de mais de 10 milhões.

3 Os migrantes nem sempre cruzam as fronteiras legalmente
Há algum tempo estimamos o número de imigrantes não autorizados nos EUA. Mas a migração não autorizada também é um problema para outros países de destino. Por exemplo, o Reino Unido recentemente encorajou os estrangeiros a deixarem o país com textos móveis, mas o sistema de detecção do governo britânico de quem é ou não um imigrante não autorizado permanece incerto.


4 Os dados de migração nem sempre são tornados públicos
Os americanos estão acostumados a ouvir uma estimativa anual do número e das origens detalhadas dos imigrantes do U.S. Census Bureau. Mas nem todos os países são tão acessíveis. Por exemplo, vários países do Golfo Pérsico, rico em petróleo, como o Catar, não fornecem estimativas detalhadas das origens de seus imigrantes, embora esses dados sejam coletados por meio de seu sistema de visto de imigrante. Com o crescimento explosivo de migrantes para esses novos destinos, esses dados podem ser politicamente sensíveis.

5 Os migrantes não informam para onde estão indo ou para onde foram
Se alguém se mudar dos EUA para o Canadá, ele pode ou não informar ao Departamento de Estado dos EUA que fez uma mudança, mas o censo canadense teria um registro de morar no Canadá. Consequentemente, as estatísticas de migração no final da migração de destino são muito mais conhecidas do que no lado da origem. Os países onde as remessas monetárias enviadas de volta pelos emigrantes contribuem para uma grande parte de suas economias rastreiam a emigração de seus cidadãos. Porém, por muitas das razões explicadas acima, esses dados nem sempre são confiáveis ​​ou atuais.

Apesar desses desafios, existem esforços para padronizar as estatísticas de migrantes. Enquanto isso, organizações como o Banco Mundial, Pew Research e as Nações Unidas fazem o possível para trabalhar com os dados disponíveis. As estimativas variam em qualidade, por definição e por disponibilidade de país para país. Mas quando somados, é certo que grande parte da população mundial está em movimento.