Neste inicio de Primavera climatológica ( Período entre 1 de Março e 31 de Maio ), a configuração térmica do oceano Atlântico relembra um pouco o padrão que tínhamos em 2018.

Águas bem mais frias que o normal nos trópicos, nomeadamente em torno a Cabo Verde, e bem mais quentes do que o normal nas latitudes subtropicais ( 25-40ºN).

Estes sinais de larga escala costumam persistir por alguns meses, visto que a inércia térmica do oceano é difícil de contrariar, e dado que estes padrões estão muitas vezes associados a condições na atmosfera que forçam o arrefecimento em alguns locais do oceano e o aquecimento de outros.

Apesar de ser muito cedo, e haver ainda tempo para alterações neste padrão, podemos inferir já algumas consequências na época de furacões deste ano de 2019.

Caso as coisas se mantenham aproximadamente como estão ao longo dos próximos 6 meses, o que é uma possibilidade real dada a tal inércia térmica do oceano, e caso as condições de El Niño fraco continuem, a época de furacões deverá ter algumas semelhanças com 2018.

Espera-se atividade abaixo do normal no atlântico tropical, nomeadamente entre Cabo Verde e as ilhas Leeward.
Em sentido oposto, a atividade poderá ser superior ao normal nas águas em torno dos EUA, e as possibilidades de tempestades de origem tropical nos Açores e atlantico nordeste será mais elevada do que o usual.