Instabilidade dos mercados coloca o petróleo em queda. E então ?

petroleo_0

A instabilidade dos grandes mercados mundiais e o excesso de oferta estão a fazer hesitar os investidores, tornando a matéria-prima alvo de desvalorização nos últimos meses.

Mas mesmo depois da recuperação da última semana, as cotações do petróleo voltaram a cair mais de 3 %.

Há muito que se fala do alcance do limite das reservas de petróleo, mas a verdade é que a produção tem sido crescente e não tem dado sinais de quebra, resultando na revisão dos preços em baixa.

 


 

«O preço do petróleo está novamente a cair nos mercados internacionais, depois do encontro deste domingo entre a Arábia Saudita e a Venezuela ter dado poucos sinais de que os países exportadores de petróleo irão fazer alguma coisa para estabilizar os preços. O encontro decepcionou os mercados, enquanto os receios sobre o excesso de oferta continuam a preocupar os investidores.»

http://economico.sapo.pt/noticias/petroleo-esta-de-novo-em-queda_242047.html


 

 

Por outro lado, e apesar da queda do seu valor, algumas petrolíferas dão a volta por cima. É o caso da Galp, com um resultado líquido de 639 milhões de euros em 2015, mais 71 % do que em 2014, como se verifica na notícia abaixo.

 


«A Galp vai manter a sua estratégia de aposta na exploração e na produção, apesar da queda acentuada do preço do petróleo, afirmou hoje o presidente executivo da companhia, Carlos Gomes da Silva.

Os projetos em que a Galp está envolvida estão, dentro da curva da economia, entre os mais rentáveis e competitivos e, nessa medida, a decisão de prosseguir com o desenvolvimento desses projetos mantém-se”, assegurou Carlos Gomes da Silva.

O presidente executivo da Galp falava em conferência de imprensa destinada à apresentação de resultados da petrolífera, que obteve um resultado líquido ajustado de 639 milhões de euros em 2015, um aumento de 71,5% face aos 373 milhões alcançados no período homólogo de 2014.»

http://www.rtp.pt/noticias/economia/galp-mantem-estrategia-de-exploracao-e-producao-apesar-da-queda-do-petroleo_n894620


 

A nível ambiental, poderá haver efeitos prejudiciais, graças ao embaratecimento da matéria-prima que fomentará maiores consumos e emissões de gases de efeito de estufa, principalmente em países mais dependentes do petróleo ou em expansão industrial, sendo a China um grande consumidor de petróleo e que, apesar da forte instabilidade dos seus mercados nos últimos tempos, poderá beneficiar acidentalmente de tal situação, através da queda do preço do crude.

 

BESTWEATHER