Há umas semanas lançamos um artigo acerca do excesso de histeria, do quão necessário é agir, pensar e trabalhar de forma a garantir que a economia e as nossas necessidades energéticas se adaptem de modo a mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Muita gente comentou que essa “histeria” talvez fosse necessária para realmente forçar as entidades governantes a agir.

Na nossa forma de pensar, em democracia, as exigências devem ser consumadas na forma de votos, de atitudes e medidas concretas, e achamos que o investimento na ciência e na educação são alvos prioritários da sociedade no século XXI.

A ciência que dispomos hoje, e os trabalhos que já foram feitos nas última décadas, já avançaram com muitas possíveis soluções para o problema da poluição e mudanças ambientais e climáticas…apenas falta implementar, e temos cerca de 20 anos para o fazer de forma séria…há que ter esperança e não medo!

Tomemos o exemplo da energia nuclear por fissão, muita gente descarta a sua utilização pois há receio de acidentes e de libertação de material radioativo, tal como há uma questão complexa a nível da segurança com que podemos descartar o lixo que resulta do processo de fissão nuclear.

Mas há outro método, a fusão nuclear, que está a ser estudado e que, um dia, poderá ser implementada.
O método de fusão é muitíssimo mais seguro que o método de fissão e apresenta muitos menos problemas em termos de lixo radioativo.

https://nuclear.duke-energy.com/2013/01/30/fission-vs-fusion-whats-the-difference

https://www.zmescience.com/science/difference-fusion-fission/

Se houver uma aposta séria na energia nuclear, com  investimento na investigação do método de fusão, podemos ter aqui uma solução importantíssima para o futuro da sustentabilidade do ser humano no planeta!

Mesmo os métodos atuais de fissão são bastante seguros, e como tal poderiam ser utilizados de forma temporária, já que os riscos são largamente ultrapassados pelos benefícios.

Por outro lado, temos uma série de medidas cientificamente sólidas com o poder de mitigar de forma extremamente eficaz o nosso impacto no mundo natural, tomem por exemplo o projeto Drawdown:

https://www.ted.com/talks/chad_frischmann_100_solutions_to_climate_change

Há um caminho a seguir, é um caminho assente no progresso e na educação, um caminho que está ao alcance de todos.

Precisamos de agir em conjunto, de fortalecer as nossas democracias e as nossas relações com os outros e com o meio que nos rodeia, de forma a que o futuro seja bom para todos.

Acreditamos num sistema em que exploramos menos a natureza, interferimos menos com ela, gerimos melhor as nossas acções em relação com o ambiente e gerimos melhor as nossas relações connosco próprios.

NÃO É ASSIM TÃO DIFÍCIL!